A Confiança e a Roupa do Mago

Se você não hipnotizar com frequência, jamais vai ter certeza absoluta da sua habilidade de hipnotizar! Jamais terá a confiança e a roupa do mago.

Por isso, sempre falo para os meus alunos que pratiquem hipnose entre eles, e que também hipnotizem desconhecidos.

Se você não tiver essa confiança, não vai poder esperar ir para rua hipnotizar e então ganhar essa confiança. Você precisa desenvolver essa confiança agora!

Mas, como fazer isso? 

O príncipe e o mago

Eu gosto muito de contar a história do príncipe e o mago para falar sobre essa questão da confiança. Essa metáfora é contada no livro A estrutura da magia I, escrito por Richard Bandler e John Grinder.

No livro, Bandler conta a história de um príncipe que morava com um rei, que acreditava em tudo, com exceção de três coisas: em ilhas, em princesas e em Deus.

O príncipe gostava muito de viajar. Um dia ele viajou para bem longe do seu reino. Então, ele chegou a um lugar que tinha várias ilhas.

Nessas ilhas, ele viu criaturas perturbadoras, que ele não conseguia nem dizer o nome delas. Eram inomináveis de tão perturbadoras!

O príncipe, extasiado pela existência das ilhas, foi conversar com um homem que estava vestido de negro. Ou como diz Bandler, vestido de “Noite”.

Ele perguntou para o homem vestido de noite:  

– Essas ilhas existem?

– Claro que existem.

– Qual o nome dessas criaturas perturbadoras que estão nas ilhas?

– Essas criaturas perturbadoras são as princesas.

Então, o príncipe pensou “Espera aí! Quer dizer que ilhas existem, princesas existem… Isso só pode significa que Deus também existe!”.

Nesse momento, o homem vestido de noite arregaçou as mangas, fez uma reverência e disse “Prazer, eu sou Deus”.

Você me enganou, pai!

O príncipe ficou perplexo, impressionado e também com muita raiva do seu pai, pois ele sempre havia dito que aquelas coisas não existiam.

O jovem príncipe voltou para o seu reino para contar das coisas que ele havia descoberto e que antes acreditava jamais existirem.

Chamou seu pai para conversar e disse: “Você me enganou, pai! Na minha viagem eu conheci ilhas, conheci princesas e até mesmo conversei com Deus! Você mentiu pra mim. Essas coisas existem!”.

O seu pai, com uma risada sarcástica, perguntou ao filho:

– Por acaso, esse Deus estava vestido de noite?

– Sim, estava.

– Ele arregaçava as mangas dessa maneira?

– Sim, arregaçava…

– Então, filho. Esse suposto deus é um mago e você foi enganado por ele. Na verdade, só viu todas estas coisas por estar sob o feitiço dele!

Você me enganou, mago!

Agora o príncipe estava com muita raiva do mago e decidiu ir tirar satisfações com ele. Viajou e foi encontrá-lo novamente nas ilhas. Ele chegou para o mago e disse:

– Você me enganou! Eu sei que você é um mago. As ilhas não existem, essas princesas não existem. Você está me encantando com um feitiço!

O mago, com uma risada irônica, disse: “mas é claro que essas coisas existem! Você só não consegue enxergar as ilhas, as princesas e Deus no seu próprio reino porque está sob o feitiço do seu pai, que é o verdadeiro mago!”

O que existe nada além da magia? 

Então, o príncipe volta novamente para o seu reino e vai agora tirar satisfações com o seu pai. Ele chega e diz:

– Pai, o mago me contou que você também é um mago!

O rei, arregaçando as mangas, respondeu “É verdade filho. Realmente Eu sou um mago!”. E o filho, já bastante confuso, perguntou:

– Então, o que é real? Essas ilhas, o castelo… Existe algo que seja real?

– Nada. É tudo feitiço!

– Não aceito. Eu quero saber o que existe além da magia!

– Nada, não existe nada além da magia.

O príncipe ficou muito confuso: “Não pode ser. Vou me matar!”. Então, a Morte apareceu naquele momento e começou a chamá-lo. Só que o príncipe sentiu medo da morte e não quis mais morrer.

Nessa hora, o rei lhe disse “Ótimo! Agora você está preparado para se tornar um mago”.

Você usa a roupa do mago?

Contextualizando, essa história é carregada de significado para a hipnose. O primeiro significado é que, na hipnose, o que é real não é necessariamente uma realidade fática.

Assim como o príncipe, você vai descobrir que é irrelevante saber o que aconteceu de verdade. Isso, para nós hipnólogos, perde um pouco a importância.

O segundo significado está na importância de usar a roupa de um mago. Quando você usa a roupa do mago, a magia acontece.

Porém, se você, por algum motivo, não usar a roupa do mago, a magia não vai acontecer.

Eu conheço muitas pessoas que sabem todas as técnicas de hipnose, mas não tem a roupa do mago. Se você não tiver a roupa do mago, você não vai ter a confiança e a habilidade necessária para hipnotizar ninguém.

A roupa do mago não é um alter ego. Quando você está com a roupa do mago, você percebe que, independente do que acontecer, a sua confiança é tão inabalável, que se aquilo que aconteceu, não era previsto, você não vai perder o controle da situação.

Às vezes, os resultados que você vai ter não são os resultados que você deseja, mas isso não pode mudar a sua postura como mago.

Seja na clínica ou seja na hipnose de palco, a sua postura é mais de 90% do processo. Se duvidar, mesmo por um momento, a magia não vai acontecer.

O sujeito percebe quando o Hipnólogo não tem confiança. Não está usando a roupa do mago. Por isso, a sua confiança tem que ser inabalável.

O que é a hipnose? Suas dúvidas respondidas!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp