Como tratar depressão pós-parto com hipnose

Tempo de leitura: 6 minutos

Rate this post

Pelo menos uma em cada quatro mulheres que tiveram bebês deveria tratar a depressão pós-parto por apresentar os sintomas da doença. Os dados são de um estudo feito pela pesquisadora Mariza Theme, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz).

De acordo com a pesquisa, mais de 25% das brasileiras que tiverem bebê apresentam sinais de depressão, após a criança ter entre seis e 18 meses de vida. O dado é alarmante, visto que ultrapassa a prevalência do distúrbio estimado pela Organização Mundial de Saúde, que indica que em países de baixa renda, cerca de 19,8% das mulheres que tiveram filhos apresentam esses sintomas. 

Com uma quantidade tão grande de mães passando pelo distúrbio, é importante conhecer as causas, os sintomas e os possíveis tratamentos, que vão dos medicamentosos associados à terapia, até a hipnose, como forma de ajudar na melhora. Vale ressaltar que a doença pode acometer desde mães que acabaram de ter bebês, até a que já desmamaram.

Antes de saber como tratar depressão pós-parto, é preciso conhecê-la

Uma mulher que teve bebê e entrou em um quadro de muita tristeza, falta de esperança, apatia e que já não se entusiasma com as coisas ao seu redor pode estar precisando de ajuda. Talvez, ela ela necessite tratar a depressão pós-parto e, por isso, deve ser avaliada por um especialista. 

É comum também mães que se apresentam nessas condições não se preocuparem com a vacinação da criança, nem com a amamentação. Isso pode afetar a saúde e o desenvolvimento do bebê, tornando ainda mais importante tratar a depressão pós-parto o quanto antes. 

Embora não seja muito comum, quando não tratada, a depressão pós-parto pode evoluir para um quadro mais severo, conhecido como psicose pós-parto. Além disso, quando a mulher não é atendida e não recebe a atenção necessária para que o tratamento seja realizado, o vínculo da mãe com o bebê acaba afetado

Mesmo com o quadro sendo frequente, a causa da doença ainda não foi identificada. Especialistas sugerem que ela pode estar ligada a fatores físicos, emocionais e hormonais, assim como o estilo de vida decorrentes do término da gravidez. 

Quem já sofre com a depressão pode ter nela um fator desencadeante, bem como as mulheres que passam a dormir muito pouco, após a chegada do bebê. Também são mais suscetíveis as que não têm apoio do parceiro, as que acabam se isolando por falta de tempo ou até as que já tinham um histórico de ansiedade, antes da gravidez. 

Quais são os sintomas da depressão pós-parto?

São diversos os sintomas que podem indicar que a mulher possa sofrer com a depressão pós-parto e precisar de ajuda. Dentre eles podemos citar:

  • Tristeza intensa sem um motivo aparente, desmotivação, melancolia;
  • Desespero;
  • Desinteresse por coisas corriqueiras ou atividades que antes ela gostava de fazer; 
  • Vontade de fazer mal ao bebê;
  • Dormir além do normal ou insônia;
  • Sentimento de culpa, preocupação excessiva;
  • Ansiedade, dificuldade de se concentrar, inquietação;
  • Cansaço extremo;
  • Ganho de peso ou perda de peso de forma acelerada;
  • Indisposição;
  • Desconexão com o bebê ou com parentes e amigos;
  • Alteração de humor.

Mulheres que apresentam um ou mais desses sinais, precisam ser avaliadas por um especialistas e, se for o caso, receber orientações de como tratar a depressão pós-parto.

Caso a pessoa já possua um histórico de depressão pós-parto, transtorno bipolar ou depressão, ela deve ser acompanhada por um médico de perto, mesmo que os sintomas não tenham sido notados por pessoas próximas. Quando há um histórico, as chances de isso acontecer se tornam maiores e é preciso ter mais cautela. 

Diagnóstico da depressão pós-parto

No geral, os primeiro sinais de depressão pós-parto aparecem nas quatro primeiras semanas após o nascimento do bebê, mas nem sempre são notados. Assim, ao ir a um especialista, o médico avaliará o quadro como um todo, observando o histórico e os sintomas atuais. 

Vale ressaltar que o psiquiatra pode tanto identificar uma depressão pós-parto quanto outro tipo de transtorno mental que apresente sinais semelhantes. Para isso, caso julgue necessário, ele poderá solicitar exames laboratoriais para tentar identificar alguma alteração hormonal que possa contribuir para o quadro. 

Como tratar a depressão pós-parto

O tratamento varia de acordo com a avaliação médica, mas é válido ressaltar que a mãe precisará do apoio do companheiro e dos familiares. Em alguns casos, poderá ser indicado inclusive que uma pessoa fique responsável, pelo menos por meio período, em estar presente para cuidar da criança. Pode ser uma babá ou algum parente que tenha disponibilidade. 

Assim, poderão ser indicados tratamentos como: 

  • Medicamentos: com o uso de antidepressivos que ajudem a pessoa a se recuperar; 
  • Psicoterapia: o terapêuta irá atuar ajudando a pessoa a organizar os seus pensamentos e a resolver problemas interiores, que possam estar influenciando no quadro. Além disso, ajudará a pessoa a ter novas metas e mudar a forma como vê essa nova etapa da vida; 
  • Terapia hormonal: utilizado em casos específicos, nos quais os médicos identifiquem que as alterações hormonais estão diretamente ligadas ao quadro e que é preciso realizar a reposição para que a mulher possa se recuperar; 
  • Mudanças nos hábitos: alterar a alimentação, as horas de sono e a rotina de vida também podem ser formas de tratamento. Caminhadas ao ar livre ajudam a relaxar e a melhorar o quadro.
  • Hipnose: assim como a terapia, ajuda a organizar os pensamentos e a forma como encara a nova fase da vida. Pode ser usada como auxiliar na hora de tratar a depressão pós-parto. Através da hipnose, a pessoa consegue acalmar a mente, os pensamentos e atingir o equilíbrio emocional.

Além de ser usada para tratar depressão pós-parto, a hipnose também é uma aliada na prevenção da doença. 

A chegada de um bebê, embora seja um momento de alegria, traz diversos desafios e alterações. Noites mal dormidas, cansaço, afastamento do trabalho e falta de tempo farão parte da nova rotina da mulher. Lidar com tudo isso não é simples, mas é possível evitar o avanço da doença com a auto-hipnose

Isso é possível, graças ao fato da técnica ajudar a gestante a lidar melhor com as emoções e com a forma com a qual lida com as alterações em sua rotina. 

Você pode prevenir que quadros de depressão pós-parto aconteçam, praticando a auto-hipnose. Aprenda a fazer isso em nosso curso e viva melhor! 

Esse artigo foi útil?

Clique na estrela para pontuar!

Média de pontuação / 5. Vote count:

Curso virtual de auto-hipnosePowered by Rock Convert