O uso da hipnose em crianças: como a abordagem deve ser feita

Tempo de leitura: 5 minutos

Rate this post

A hipnose infantil ainda é um tabu para muitas pessoas que não são da área. Embora a técnica de hipnoterapia possa ser usada para o tratamento de crianças, a abordagem é diferente. Afinal, não é ela que procura o tratamento e sim os pais. Nesse sentido, a cooperação virá mais facilmente dos responsáveis do que do próprio indivíduo tratado. 

Contudo, é importante salientar que, embora o uso da hipnose em crianças precise de cuidados, ele é muito positivo. Ela é uma alternativa para tratamentos de traumas, bullying, timidez, quadros de ansiedade, entre outros. Quando bem aplicada, ajuda no desenvolvimento da criança e melhora a qualidade de vida dela. 

Quer saber mais sobre a hipnose em crianças? Então siga com a sua leitura!  

A hipnose em crianças é um tratamento diferenciado

De antemão, sabemos que a forma como um pediatra lida com o seu paciente é diferente da que um clínico geral aborda uma pessoa adulta. Igualmente, a maneira como o alfabetizador atua é diferente da forma como um professor universitário trabalha. Da mesma maneira, a abordagem de um adulto em uma sessão de hipnose deve ser diferente da usada para crianças.

Nesse sentido, é preciso adequar os procedimentos de acordo com a idade do cliente. Contudo, o foco sempre será equilibrar a mente, na tentativa de melhorar a qualidade de vida.

Isso é alcançado quando pessoa chega ao transe hipnótico, que é quando as ondas cerebrais ficam mais lentas. Os adultos conseguem sentir isso e identificam o relaxamento no corpo e a respiração rítmica. Contudo, alcançar essa lentidão das ondas cerebrais nas crianças é um grande desafio. A justificativa pode ser por elas serem mais emocionais naturalmente e sentirem as coisas de uma forma lúdica. 

Por isso, ao trabalhar com crianças, o hipnoterapeuta deve focar em conversas. O resgate de sensações, usado em adultos, não costuma funcionar. 

Conduta ética no tratamento infantil

Outro ponto importante e que merece atenção é quanto à conduta ética. É necessário ter bastante cautela para trabalhar com crianças.

O hipnoterapeuta não deve tocá-las. Além disso, toda a abordagem deve ser autorizada pelos responsáveis. O ideal é ter a autorização por escrito.

Caso precise compartilhar o caso com um colega de profissão, o ideal é também providenciar uma autorização por escrito. 

Além disso, a imagem da criança, bem como o seu histórico, precisam ser preservados. Casos assim só podem ser relatados sem a autorização dos responsáveis quando há ordem judicial. Isso acontece em suspeitas de abuso ou vítimas de pedofilia, por exemplo.

A partir de que idade as crianças podem passar pelo tratamento? 

No geral, o grupo entre 6 e 12 anos responde bem ao tratamento focado em conversa. A elasticidade da imaginação atua bem nesta faixa etária. Porém, há profissionais que trabalham com crianças a partir de 4 anos. 

Vale lembrar que as crianças têm uma percepção diferente da realidade e baixa capacidade de concentração. Assim, os avanços são conquistados com a apresentação de novas realidades. A ideia é substituir o que fere o inconsciente infantil por novas realidades. 

É por isso que, no geral, a técnica é usada para maiores de 6 anos. Com essa idade, a  criança consegue expressar o que sente, possibilitando o tratamento. 

Por isso, a técnica Ericksoniana é a mais usada na hipnose com crianças. Nela, o hipnólogo trabalha a imaginação do cliente. Para isso, ele cria metáforas com o intuito de reprogramar pensamentos ruins e que afetam os pacientes. 

Quando a hipnose é indicada para crianças?

No geral, as crianças são levadas a um hipnotizador quando possuem um comportamento diferente. Os pais identificam algo que possa ser considerado prejudicial e, assim, procuram ajuda. Dessa forma, a hipnose pode auxiliar no tratamento de casos como os de:

Vale ressaltar que, assim como acontece com adultos, a hipnose deve complementar o tratamento. Além disso, cabe ao profissional orientar devidamente os pais, caso note que a criança precisa de ajuda de outros profissionais.

Uma criança alérgica ou asmática, por exemplo, necessita de cuidados médicos constantes. Se o profissional notar que ela não possui esse acompanhamento, deve orientar os responsáveis. 

É importante salientar que, caso o hipnotizador note que não domina a técnica necessária para tratar o caso, deve indicar um colega. É preciso atenção, cuidado e disciplina para trabalhar com crianças.

O que se esperar do tratamento?

A hipnose para crianças ajuda os pequenos a superarem traumas e corrigir comportamentos indesejados. É uma forma positiva de ajudá-las na construção de novas habilidades

Porém, o sucesso dela não dependerá apenas no profissional ou da criança. Os pais têm um papel fundamental no progresso. Eles devem acompanhar o tratamento e, se preciso, mudar a forma como tratam a criança

Além disso, é importante que os pais apoiem as mudanças conquistadas e não repreendam a criança. 

Claro que criar novas realidades para as crianças não é simples, mas você pode aprender. Veja como utilizar da linguagem para criar novas realidades com o curso Hackeando a realidade

Este artigo é baseado em uma aula ministrada ao vivo pelo terapeuta Tiago Santoli para os alunos dos cursos online do professor Alberto Dell’isola.

Esse artigo foi útil?

Clique na estrela para pontuar!

Média de pontuação / 5. Vote count: