Como fazer terapia em clientes com diagnóstico de DST e IST?

Tempo de leitura: 6 minutos

Rate this post

Na rotina do hipnoterapeuta, é possível que eventualmente surja demanda de atendimento para pessoas com DST e IST. Você conhece essas siglas que se referem à exposição sexual?

Embora o cliente nem sempre vá contar que possui uma doença ou infecção sexualmente transmissível, pode ser que ele procure o tratamento por consequências psicológicas.

Nesse sentido, existem DST e IST que não têm cura. No entanto, o tratamento existe e é cada vez mais acessível, apesar do número crescente de casos.

Existem ainda doenças que podem evoluir para um quadro de câncer. Nesses casos, além dos sintomas consequentes do agente causal, a pessoa precisa lidar com as suas angústias e aceitação

É nesse momento que o terapeuta pode ajudar. O trabalho será no sentido de orientar e ajudar a pessoa a enfrentar o problema de saúde de uma forma mais amena. Por isso, conheça mais sobre DST e IST e veja como proceder em terapias que lidam com pacientes que vivem essa realidade. 

DST e IST: entenda a diferença

Em resumo, a sigla DST significa Doenças Sexualmente Transmissíveis, enquanto ISP é a sigla para Infecções Sexualmente Transmissíveis.

A pergunta é: DST e IST são a mesma coisa? De acordo com o Ministério da saúde sim. O que antes era chamado de DST, hoje é tecnicamente denominado de IST. 

A terminologia Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) passa a ser adotada em substituição à expressão Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), porque destaca a possibilidade de uma pessoa ter e transmitir uma infecção, mesmo sem sinais e sintomas”, diz o site oficial.

Contudo, há casos nos quais você poderá encontrar uma informações diferente. Segundo elas, IST é quando a pessoa possui o causador da doença sem manifestar os sinais clínicos. Já DST é quando o indivíduo já desenvolveu os sinais clínicos

Porém, entre DST e IST, é possível que futuramente só encontremos a sigla IST por aí. Isso tende a acontecer uma vez que o Ministro da Saúde definiu o desuso da sigla DST entre os profissionais da área. 

Conheça algumas Infecções Sexualmente Transmissíveis

As siglas DST e IST referem-se às doenças que podem ser transmitidas por meio de contato ou relação sexual. A transmissão pode acontecer no sexo vaginal, anal e oral. É importante que saiba que a doença pode ser causada por vírus, bactérias ou outros microrganismos. A maioria delas pode ser evitada com o uso de camisinha feminina ou masculina.

Embora o HIV seja a IST mais popular, ela não é a única. Existem diversas infecções que podem ser transmitidas pelo contato sexual. Uma delas é o cancro mole.

A doença é causada por uma bactéria, chamada Haemophilus ducreyi. A transmissão acontece pela relação sexual sem proteção entre uma pessoa sem a bactéria e uma que possui o Haemophilus

A pessoa acometida pode notar a presença de feridas dolorosas nos órgãos genitais. Nesse sentido, apenas o médico pode prescrever o tratamento. 

Já o HPV (Papilomavírus Humano) pode ser transmitido através da relação sexual ou contato de pele com pele. Do mesmo modo, isso é possível quando um dos parceiros tem o vírus e o outro não. Logo, a pessoa acometida pode apresentar verrugas genitais e no ânus. Em alguns casos, pode evoluir para câncer, principalmente uterino. 

Existe também o HIV, que é causado por um retrovírus. Ele é transmitido de diversas formas como:  

  • sexo oral, vaginal ou anal sem camisinha;
  • transfusão de sangue contaminado;
  • compartilhamento de seringa;
  • uso de instrumentos cortantes não esterilizados;
  • via mãe infectada para o bebê durante a gestação, na hora do parto ou na amamentação

Assim, o vírus pode acometer pessoas de qualquer idade e, quando se desenvolve, afeta o sistema imunológico. Ainda não há cura, e um dado preocupante é que, segundo especialistas, campanhas ineficazes e moralismo podem ter levado ao aumento no número de casos entre jovens.

Como atender a uma pessoa com DST e IST

Caso uma pessoa chegue relatando que foi diagnosticada com DST e IST, é preciso ter cuidado ao abordá-la. A primeira coisa é recebê-la bem e não mostrar que ficou assustado ao saber sobre a doença.

É importante que você atenda o paciente da mesma forma que receberia outro cliente qualquer. Apesar de parecer óbvio, é sempre bom reforçar que não há nenhum risco em atender pacientes com IST.

Seja qual for a doença, cabe ao terapeuta ouvir com atenção, sem julgar. O cliente está se questionando e precisa de ajuda para lidar com o problema. 

Além disso, é muito importante que o profissional procure estudar a IST. Dessa forma, é preciso estar certo de que está transmitindo as informações corretas. 

O ideal é usar termos atualizados e condizentes com o que os profissionais da saúde usam. Isso facilitará o entendimento do cliente e pode evitar conflitos de informações. 

Oriente o paciente

Primeiramente, é importante entender que o cliente pode chegar para o atendimento cheio de dúvidas, angústias e ansiedades. É isso que o hipnoterapeuta vai trabalhar. 

Nesse sentido, caberá ao profissional orientar o cliente e indicar fontes de informações. Muitas vezes, a pessoa fica desesperada e lê tudo sobre o tema, mas encontra inverdades, principalmente na internet. 

Muitas vezes, a suspeita ou o diagnóstico vêm acompanhados de uma carga muito grande de desinformação e preconceito.

Por isso, dê dicas de telefones oficiais, sites seguros e, caso o tratamento não tenha sido iniciado, reforce a importância de começar o quanto antes. Afinal, você poderá trabalhar a aceitação, mas nunca prescrever um medicamento.  

A ideia é auxiliar os pacientes a conviver com a doença, aceitar os tratamentos e evitar quadros depressivos

Por fim, o sigilo é essencial. O que o cliente contar durante a consulta não deve sair de lá. Exceto em casos nos quais o relato do seu quadro seja autorizado por ele, para fins de discussão científica. 

Onde encontrar informações confiáveis sobre DST e IST?

Seja para a aquisição de conhecimento ou para a orientação de pacientes, é preciso saber onde se informar. Para ajudá-lo, vamos listar alguns sites que possuem conteúdo gratuito e cursos online sem custo. Dentre eles:

  • Site do Ministério da Saúde: nele é possível encontrar informações sobre as mais variadas ISTs. O portal conta com conteúdo atualizado e segue práticas e recomendações de saúde internacionais;
  • UNASUS: este site ligado ao Sistema Únicos de Saúde e oferece diversos cursos gratuitos a distância. Dentre eles, estão conteúdossobre DST e IST;
  • Fiocruz: A Fundação Instituto Oswaldo Cruz é referência no desenvolvimento de projetos de pesquisa. No campus virtual da instituição, é possível encontrar alguns cursos gratuitos sobre a temática.

Caso ainda restem dúvidas, o telefone 136 está disponível para sanar dúvidas de pacientes e profissionais. Além disso, existe o chat do Disque Saúde

Para saber mais sobre a ética em casos assim, conheça as práticas recomendadas para profissionais de hipnoterapia. Até a próxima!

Este artigo é baseado em uma aula ministrada ao vivo pelo terapeuta holístico Guilherme Biotto para os alunos dos cursos online do professor Alberto Dell’isola

Esse artigo foi útil?

Clique na estrela para pontuar!

Média de pontuação / 5. Vote count: