Como funciona a hipnose? Conheça as 5 etapas de uma sessão de hipnose

Há muitos motivos para que uma pessoa agende uma sessão de hipnose. Afinal, a técnica pode ser útil em diversos momentos da vida. Com a hipnoterapia, por exemplo, é possível desenvolver o autoconhecimento, a autoconfiança e até algumas características essenciais para conquistar um melhor cargo na empresa.

Ao mesmo tempo, em pessoas doentes ela pode ser usada para o alívio e/ou controle da dor. Isso, sem contar que é indicada para auxiliar no tratamento de depressão, síndrome do pânico, fobias, entre outros.

Por isso, muitas pessoas acabam agendando uma sessão de hipnose. Mas, ao mesmo tempo, ficam cheias de dúvidas. Como será que vai funcionar o tratamento? É demorado? O que será feito? Se você tem essas e outras dúvidas, siga a sua leitura e veja tudo o que vai acontecer durante o atendimento.

O que é hipnose?

Para saber o que acontece em uma sessão de hipnose é preciso saber o que é esse procedimento. Segundo a Associação Americana de Psicologia, trata-se do uso de técnicas para deixar a pessoa em um estado de relaxamento profundo e mais suscetível às sugestões. 

Assim, uma vez que a pessoa esteja relaxada, o profissional da saúde ou pesquisador consegue dar continuidade ao tratamento. Este, por sua vez, colabora para que a pessoa experimente e conquiste mudanças de pensamento, sensações ou comportamentos. 

Embora qualquer pessoa possa ser submetida a um tratamento com hipnose, a reação ao procedimento é individual. Baseado nessa variação e também no objetivo da hipnoterapia, o profissional pode escolher a abordagem e as técnicas mais adequadas para o caso. 

As 5 etapas de uma sessão de hipnose

1. Pre-talk

O pre-talk é uma etapa essencial para a sessão de hipnose. Essencialmente, o hipnólogo explicará como funciona a hipnose.

Nesta conversa prévia, esclarecerá informações de senso comum sobre a hipnose para o sujeito como, por exemplo:

  • os mitos da hipnose;
  • se o hipnólogo controla a mente;
  • se existe uma batalha de mentes;
  • se é perigoso ser hipnotizad;
  • dizer quais são as instruções para que ocorra a hipnose, etc.

Agora, duas coisas muito importantes a serem impostas no pre-talk é a autoridade do hipnólogo e a elevação da expectativa da pessoa a ser hipnotizada.

2. Anamnese

Esta etapa da sessão é mais comum na hipnoterapia.A anamnese consta de uma entrevista para conhecer melhor o paciente. Conhecer qual é o seu histórico, suas demandas, seus problemas, suas queixas e problemas. É também uma oportunidade de estabelecer um rapport com o sujeito.

3. Indução hipnótica

A indução é onde a magia acontece. Isto é, levar o sujeito ao transe.Existem duas maneiras de acontecer: de forma direta ou indireta.

Indução direta

Essa indução também é chamada de clássica ou formal. E seu maior expoente é Dave Elman, que trabalhava com a hipnose clínica em hospitais.

A sua indução é rápida e bastante permissiva. Desse modo, ele dá sugestões diretas ao sujeito, como feche os olhos, abra os olhos, relaxe, imagine isso, usando o modo imperativo.

Indução indireta

A indução indireta é ericksoniana. Milton Erickson defendia a ideia de que o sujeito é parceiro do hipnólogo. Este não teria a autoridade da sessão, mas trabalharia em conjunto à pessoa que será hipnotizada.

Sua indução é feita naturalmente, no meio da conversa. O transe é naturalístico, do mesmo modo que se entra ao ler um livro ou qualquer outra atividade que entretenha.

O sujeito entra em transe sem perceber. Por isso, esse tipo de indução é uma hipnose conversacional.

4. Sugestões

Após o indivíduo ser induzido, o hipnotista começa com as sugestões, que, como vista acima, podem ser diretas ou indiretas.

Portanto, as sugestões podem ser feitas tanto durante o transe (sugestões hipnóticas) quanto após (sugestões pós-hipnóticas).

As pós-hipnóticas são as âncoras, os gatilhos que o sujeito pode disparar, após a indução, para evocar algum estado de transe. Por exemplo, um estalo de dedos feitos pelo hipnotista.

  • Obs.: Na hipnose ericksoniana, a sugestão hipnótica, em vez de um comando direto, é feito por meio de metáforas. O hipnotista conta uma história na qual o paciente se identificaria e criaria a sua própria, ressignificando-a.

5. Dehipnotização

Ou retorno; ou despertar.Esta última parte da sessão é quando o indivíduo sai do transe e volta da hipnose.

Tripé da terapia: conheça as bases que orientam um bom trabalho 

Durante a sessão de hipnose o profissional poderá avaliar o caso e encontrar a melhor técnica e abordagem. Assim, se você conhece alguém que foi tratado de uma maneira e chegar para o seu tratamento, mas o procedimento for outro, não se assuste. Afinal, cada pessoa tem as suas necessidades e objetivos. E isso é respeitado pelo profissional.

No entanto, ao mesmo tempo é possível dizer que há o que é chamado de tripé da terapia. Trata-se da junção de três passos, que fazem parte de praticamente todos os tratamentos. São eles:  

  • Dessensibilização;
  • Reframe;
  • Psicoeducação.

Dessensibilização 

Essa técnica é usada para amenizar o sofrimento. Em suma, ela consiste em expor a pessoa ao problema que a levou a procurar ajuda. Essa exposição é feita de forma gradativa, trabalhando para que, pouco a pouco, ela tenha respostas negativas de menor intensidade. A dessensibilização é frequentemente usada no tratamento de fobias.

Reframing

Essa técnica também é muito usada, principalmente na terapia familiar sistêmica. Trata-se da ressignificação ou recontextualização do problema. Dessa forma, embora ela se lembre, por exemplo, de uma situação traumática, esse problema, ao ser recordado passa a não causar uma sensação ruim ou angustiante. 

O reframing também é usado na sessão de hipnose para eliminar as crenças limitantes e transformá-la em algo positivo e benéfico. 

Psicoeducação

Comumente usada na Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), visa potencializar o que foi mudado e aprendido durante a terapia. Ela ajuda a desenvolver novas ideias e pensamentos, que são essenciais para as mudanças de pensamentos ou de atitudes. 

No geral, essas técnicas citadas no tripé da terapia são usadas nos atendimentos presenciais. Entretanto, também é possível realizar sessão de hipnose online. Você sabia? Veja como funciona

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp