Tripé da terapia: as bases de uma boa terapia com hipnose

Embora existam diversas técnicas que podem ser usadas na hipnoterapia, há três grandes caminhos a serem seguidos: dessensibilização, reframe e psicoeducação. A esses três passos ou alternativas é dado o nome de tripé da terapia ou tripé terapêutico. 

Assim, ao compreender o tripé da terapia, o profissional acaba adquirindo um melhor entendimento do que escolher na hora do atendimento. Ou, se for o caso, optar pela junção de mais de uma, a depender do paciente. 

Dessa forma, os procedimentos devem ser aplicados de acordo com o caso do cliente e da avaliação profissional. Nesse sentido, o tripé da terapia ajuda a orientar o trabalho a ser seguido. Conheça os três passos e veja como cada um funciona na terapia.

Tripé da terapia: conheça as 3 bases

Dessensibilização 

A técnica de dessensibilização expõe o cliente ao problema e foi desenvolvida originariamente por Wolpe em 1958. Ela é usada para amenizar o sofrimento individual ao apresentar a pessoa a um reflexo condicionado. Para isso, o indivíduo é exposto à origem do problema de forma gradativa.

A ideia é que, pouco a pouco, ele tenha respostas negativas de menor intensidade, até que a extinção do sentimento ruim que aquilo traz ocorra. Por isso, é comumente usada para tratar fobias e envolve, basicamente, três etapas:

  • treinamento e orientação para que o cliente chegue ao relaxamento físico;
  • determinação de uma hierarquia de ansiedade, levando em conta a relação ao estímulo;
  • contracondicionamento do relaxamento.

Para que a dessensibilização, que faz parte do tripé da terapia, possa ser usada, é preciso determinar uma escala, que seja crescente, de exposição ao estímulo. E isso deve ser determinado de acordo com a condição apresentada pelo cliente. 

Reframing

A técnica de reframing é comumente usada na terapia familiar sistêmica, de onde teve origem. Se a palavra for traduzida para o português ela significa recontextualizar ou reenquadrar. Na prática, é exatamente isso que essa técnica, que é considerada segunda no tripé da terapia, consiste. 

O reframing busca dar um novo sentido a uma situação vivida ou a um trauma. Também pode ser usado para transformar uma crença limitante em algo positivo, por exemplo. É como se o conceito que o cérebro tivesse guardado sobre determinado tema fosse “eliminado” e o lugar dele passasse a ser ocupado por novas interpretações.  

A ideia não é apagar uma história, mas sim transformar as sensações ligadas a ela em algo positivo ou, pelo menos, menos angustiante. 

Psicoeducação

Por fim, o último ponto a ser destacado no tripé da terapia é a psicoeducação. Ela faz parte da abordagem terapêutica da Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC). Ela visa potencializar a terapia. 

Em suma, a psicoeducação auxilia o indivíduo a desenvolver novas ideias e pensamentos tanto sobre si mesmo, quanto sobre o que acontece ao seu redor. Dessa forma, o indivíduo consegue conquistar mudanças de comportamento que sejam almejadas. Assim, a pessoa aprende a direcionar os próprios pensamentos e se tornar dona da sua história. Dessa forma, a psicoeducação envolve: 

  • quebra de mitos;
  • informações;
  • acolhimento;
  • desenvolvimento de habilidades.

Além disso, a psicoeducação pode ser usada tanto no tratamento individual, quanto em grupo. É o caso, por exemplo, de quando a hipnoterapia é usada para o tratamento de casal ou familiar. Assim, a psicoeducação também é comumente usada para ajudar a pessoa e a família a compreenderem situações como, por exemplo, as de:

  • compreender a necessidade de mudança de estilo de vida visando adquirir hábitos saudáveis;
  • entendimento e aceitação de diagnósticos e tratamentos de eventuais doenças graves;
  • ajudar a enfrentar possíveis preconceitos.

Dentre os benefícios oferecidos pela prática da psicoeducação é possível citar: 

  • conquistar melhor qualidade de vida;
  • melhorar a adesão ao tratamento farmacológico sugerido pelo médico;
  • auxiliar na adoção de hábitos saudáveis;
  • ajudar a pessoa a se livrar de vícios;
  • ensinar a identificar e evitar possíveis recaídas a vícios. 

Todo esse processo deve ser adequado à família ou diretamente ao paciente. Entretanto, a criatividade costuma fazer parte da psicoterapia, que pode envolver, inclusive, atividades lúdicas. 

E como o tripé da terapia se completa? Vamos supor que seja um tratamento de uma fobia. Se a pessoa não for dessensibilizada, o reframe não funciona. A psicopedagogia entra para fortalecer os novos aprendizados.

Claro que, dependendo do caso, elas podem ser aplicadas separadamente. Caberá ao hipnoterapeuta identificar as necessidades do paciente e determinar o melhor caminho a ser seguido.  

Algumas dessas práticas podem ser usadas também na chamada psicologia de comportamento. Veja do que se trata.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp