Como praticar a comunicação não-violenta no dia a dia?

Tempo de leitura: 3 minutos

4.8
(4)

Ninguém gosta de ser julgado, mas, na verdade, todo mundo acaba julgando no dia a dia. Muitas vezes, ao invés de tentar entender o que o outro está passando, a pessoa já forma uma percepção em sua mente e usa dela para embasar as suas ações. É esse tipo de atitude que é evitada ao praticar a comunicação não-violenta.

Nessa técnica de comunicação, é preciso deixar de lado o que você acha e abrir espaço para compreender o que realmente aconteceu. É necessário praticar a empatia, ou seja, se colocar no lugar do outro e compreender os sentimentos dele! 

Saiba mais sobre o uso da empatia nessa técnica e como praticar a comunicação não-violenta no dia a dia.

Empatia para praticar a comunicação não-violenta no dia a dia

Para se comunicar de forma empática, é preciso usar um vocabulário livre de críticas. Se expresse e não imponha aos outros o que eles sentem com base nas suas percepções e seus julgamentos. Deixe que a pessoa mostre o que sente, o que aconteceu e porque agiu de uma forma e não da outra.

Para praticar o processo de resolução de conflitos, devemos abandonar completamente o objetivo de levar as pessoas a fazerem aquilo que nós queremos”, disse Marshall B. Rosenberg.

Esse tipo de cuidado, na maneira de se comunicar, deve acontecer , por exemplo, desde o diálogo entre pais e filhos, até o momento de se comunicar com um amigo, colega de trabalho ou desconhecido. 

Vale lembrar que a maneira como as crianças se comunicam é inspirada na forma como as pessoas, que estão perto dela, dialogam. Assim, ao praticar a comunicação não-violenta no dia a dia, a família ensina os pequenos a interagirem com o outro de uma forma mais assertiva. Isso sem contar que, dessa forma, o ambiente familiar fica mais harmonioso.

A comunicação não-violenta, que também é chamada de comunicação empática, deve ser praticada diariamente. No começo, pode parecer uma alteração difícil. Contudo, com o tempo, é possível mudar e colher os frutos disso. 

Exemplo de comunicação não-violenta

Para ficar mais fácil de compreender como praticar a comunicação não-violenta no dia a dia, vamos mostrar alguns exemplos. 

Exemplo 1: atraso para a reunião.

“Nossa João, você realmente não tem responsabilidade, sempre se atrasa”. Na comunicação não violenta, poderia falar assim, por exemplo: “Tudo bem com você? Teve algum imprevisto?”.

Como você viu, na primeira maneira a pessoa julgou a atitude da outra e formou uma opinião, o que fez com que a acusasse. Enquanto ao praticar a comunicação não-violenta no dia a dia, se preocupou em saber as dores do outro.

Exemplo 2: documentação

“Este ofício está horrível. Faltam muitas informações!”. Na comunicação não-violenta poderia falar, por exemplo: “Está com dificuldades de encontrar todas as informações para a redação?”.

Exemplo 3: toalha molhada em cima da casa

“Eu já disse que o lugar de toalha molhada não é em cima da cama”. Uma frase dessas poderia começar uma grande briga. 

Já na comunicação não-violenta, o mesmo poderia ser dito, nesse caso, mostrando o que você sente. Por exemplo: “Olha, para mim é muito complicado chegar em casa e encontrar a cama toda úmida, por causa da toalha molhada. Eu me sinto frustrada. Será que você poderia evitar isso?”

Dicas para praticar a comunicação não-violenta

  • Veja o que está acontecendo sem julgar;
  • Não permita que os seus pensamentos e conclusões precipitadas se sobreponham ao que realmente aconteceu;
  • Afirme o que sente quando você realiza determinada observação;
  • Nomeie os sentimentos;
  • Identifique as  necessidades que trazem esses sentimentos à tona
  • Realize pedidos concretos para que a sua necessidade seja identificada. 

Para tudo isso, é indicado desenvolver a resiliência e o autoconhecimento. Isso é importante, por pode também ajudar no mundo dos negócios e a hipnoterapia pode ajudar. Veja como a hipnose corporativa é aplicada em empresas.

Esse artigo foi útil?

Clique na estrela para pontuar!

Média de pontuação 4.8 / 5. Vote count: 4

No votes so far! Be the first to rate this post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *