Questionando Cientificamente a “Regressão à Causa” Usada pelos Hipnoterapeutas

Tempo de leitura: 5 minutos

5 (100%) 1 vote

“Regressão à causa”, ou Regresse to Cause (R2C)

Recentemente, em um fórum de discussão no Facebook, em um tópico bastante controverso, respondendo aos comentários de outra pessoa, escrevi (entre muitas outras coisas) isso:

Muitos autores são francos ao serem contra o uso da regressão, devido a evidências científicas muito contundente sobre os perigos da regressão. Em particular, sobre os perigos do uso da regressão em conjunto com a hipnose.

Aqueles de vocês com experiência em regressão certamente estão cientes de temas como a natureza reconstrutiva da memória, retraumatização, quando a hipnose não garante a veracidade da memória, hipnose fazendo falsas memórias mais plausíveis. Além de inúmeras outras questões que são incrivelmente escassas. E que pretendem dar evidências reais e de qualidade para apoiar a regressão à causa.

Uma hora depois de eu escrever isso, recebi um e-mail de alguém que ensina a regressão à causa. E para ele, a R2C é a espinha dorsal do ethos de sua escola de treinamento. Entre outras coisas, essa pessoa me escreveu:

Seu último post é revoltante, e prova para mim que você não tem absoluta noção sobre a regressão a causa.

Eu sugiro, de verdade, que você seja devidamente treinado, antes de fazer tais alegações “sobre os perigos do uso da regressão em conjunto com a hipnose”. Por favor, forneça essa prova científica…

Provando cientificamente a regressão

Então eu fiz exatamente isso. Quando me pedem provas científicas para as declarações que faço, eu indico para as pessoas os artigos que escrevi na década passada sobre o assunto.

Por favor, note, esses não são meus próprios estudos pessoais, não é a minha opinião pessoal, não são minhas próprias crenças pessoais. São estudos científicos que informaram minha posição profissional. Eu escrevi a maioria destes artigos em 2009 e 2010, e eles ainda são muito válidos hoje. Ainda não saiu nenhum estudo que os refute.

Vá e leia esses artigos, pois eles estão cheios de evidências que são bastante condenatórias, tanto quanto o que concerne o uso de regressão por hipnoterapeutas:

(N.A.: os artigos abaixo estão traduzidos para o português)

  1. O Uso da Regressão na Hipnoterapia
  2.  A hipnose Deve Ser Usada para Recuperar Memórias? A Hipnose Aumenta as Chances de Síndrome da Memória Falsa?
  3. Tentativa de Regressão Hipnótica da Década de 1940 com Reflexo de Babinski

É um tema popular, porque muitas escolas de treinamento de hipnoterapia ainda ensinam a regressão sem de fato ensinar nenhuma crítica a ela. Portanto, defendem-na ao máximo, e ficam ofendidas quando alguém, como eu, questiona o que sabe.

Tenho muitos colegas profissionais que eu respeito, e que ainda usam a regressão hoje. Dou todas as oportunidades para as pessoas me convencerem das razões para se usar a regressão.

Por exemplo: um tempo atrás eu conversei com o defensor da regressão, Roy Hunter. E ele me deu um relato muito interessante em apoio à regressão ética. Ele respondeu a todas as críticas que eu lhe apresentei. Ele foi gentil, educado e pudemos discutir o tópico com respeito mútuo e entendimento da perspectiva do outro.

A ética do hipnoterapeuta quanto à regressão

No entanto, a questão vem quando, aqueles que se apresentam como professores e educadores neste campo, ensinam uma posição única e inclinada em apoio à sua própria postura. Se você vai ensinar a regressão à causa, e se você vai ensinar (e erroneamente assumir) que muitas questões terapêuticas têm eventos iniciais de sensibilização, então você também precisa ensinar a crítica disso.

Você precisa ensinar e educar os alunos sobre o que a pesquisa diz e o que acadêmicos e cientistas dizem. Dar uma perspectiva completa, não apenas dar uma perspectiva singular. Não é isso que está no coração da educação de boa qualidade?

A questão é, quando eu enviei os estudos mencionados acima, para apoiar minha declaração do fórum de discussões, não só fiquei muito surpreso que essa pessoa não soubesse nada sobre nenhum desses estudos ou argumentos. Também que a resposta que recebi afirmou que os pesquisadores que eu estava citando simplesmente não sabiam como fazer a regressão corretamente!

Informe-se!

Então, quando lhe apresentei as evidências, ele tentou encontrar alguma outra razão aleatória para refutá-la. Por que não trabalhar com os estudos e deixar-se informar? Porque não se atualizar sobre o que você faz e como você faz isso, em vez de se recusar a mudar suas ideias e dogmas?

O indivíduo insinuou que eu estava errado, que precisava de treinamento adequado. Independentemente do que qualquer um dos estudos sugerisse. Ele usou muitas anedotas pessoais para apoiar sua própria postura, e eu não quero estragar a experiência profissional de ninguém.

Eu reconheço que tenho inclinações também. Eu tenho uma postura e estou sendo impulsionada por isso. Minha faculdade tem uma postura muito particular e, por isso, promovo essa postura em prol da promoção do meu negócio. Reconheço isso também. No entanto, ainda estou profundamente convencido da evidência que examinei vigorosamente. E continuo a examinar a mudança da minha posição atual.

Acredito que precisamos questionar se a regressão à causa deve ser usada por hipnoterapeutas. E que afirma que a hipnose não deveria necessariamente ser usado como um meio de recuperar memórias. As evidências para apoiar minha posição atual estão nos artigos acima.

Isto não é sobre estar certo ou errado. É sobre ser informado e educar de forma eficaz.  Ensinar os alunos ambos os lados de um debate, os argumento e a filosofia. E então deixar as pessoas escolherem a sua própria direção.

 

Por: Adam Eason, hipnoterapista. Artigo traduzido e adaptado de Scientifically Questioning ‘Regression To Cause’ Used By Hypnotherapists.

 

O que é e como fazer auto-hipnose?