Hipnose e psicanálise: o que aproxima e o que o distancia esses dois termos

Tempo de leitura: 3 minutos

Rate this post

As histórias da hipnose e psicanálise muitas vezes se confundem. Isso pode ser explicado pelo fato de Freud, criador da psicanálise, ter usado a hipnose em tratamentos. Além disso, ambas entendem que os sofrimentos sentidos pelas pessoas são consequentes de uma energia psíquica reprimida. Essa energia, por sua vez, existe para evitar uma lembrança traumática.

Dessa forma, o sintoma seria um mecanismo de defesa que protege o indivíduo de seus traumas e lembranças ruins. Assim, quando a pessoa procura a hipnose e psicanálise, no geral, aponta uma queixa que traz sofrimento

A hipnose e psicanálise podem tratar os problemas, mas cada uma delas de sua forma. Conheça a história e algumas diferenças entre elas. 

Relação da hipnose e psicanálise na história

O trabalho de Freud, no início, teve muita influência do médico Breuer. Além disso, teve base nos dados de Charcot, que em seus estudos sobre a hipnose, propôs uma teoria para a histeria. Assim como ele, Breuer também fazia uso da hipnose nos tratamentos oferecidos a pacientes histéricas. Com o uso da técnica, notou que após elas narrarem e reviverem os traumas vividos, melhoraram.

Dessa forma, a descoberta que foi feita por Breuer durante sessões de hipnoses influenciou a teoria do inconsciente criada por Freud. Afinal, em sua experiência, o médico relatou que, por meio desse processo, a paciente passava a conhecer a sua realidade interna. Assim, para obter esse resultado, Breuer usava a hipnose por sugestão e essa mesma técnica foi adotada por Freud. 

Porém, com o tempo Freud deixou de usar a hipnose e adotou a associação livre. Nessa técnica, o paciente fala sobre o que pensa e sente, quando as ideias chegam em sua cabeça. Para ele, essa técnica auxilia o paciente a recordar e acessar lembranças guardadas no inconsciente sem o uso da hipnose. Atualmente, a associação livre é a base do tratamento psicanalítico. 

Durante o tratamento, o psicanalista ajuda o cliente a alcançar o conteúdo reprimido. Do outro lado, o paciente consegue ressignificar seus conflitos internos, de forma que fique livre do que antes causava sofrimento.

Conceitos básicos da psicanálise

Conheça alguns conceitos básicos usados na psicanálise e, muitas vezes, também na hipnose.

Inconsciente

É onde ficam guardadas algumas ideias reprimidas, que aparecem como sintomas neuróticos ou sonhos. 

Ego

A parte do psíquico que tem contato com a realidade. É organizada e auxilia na adaptação. Além disso, funciona como mediador de impulsos instintivos. 

Superego

Tem o papel de vigilante e é formado como consequência da identificação com os pais. Assimila proibições e ordens. Controla impulsos.

Sonhos 

Acesso ao inconsciente. Por isso, a interpretação dos sonhos revela percepções e desejos que só são capazes de chegar à consciência pelo sonho.

Entre a hipnose e psicanálise

Na hipnose, o cliente é colocado em um estágio de consciência diferente, de forma que aceite sugestões tranquilamente. Enquanto isso, na psicanálise é usada a associação livre. Nela, sem alterar o estágio de consciência, o cliente é incentivado a falar o que vier à cabeça. 

Embora a abordagem terapêutica seja diferente, as duas técnicas podem auxiliar no tratamento médico de problemas como:

  • depressão;
  • bulimia;
  • traumas;
  • anorexia;
  • dependência química e síndrome do pânico.

Além disso, ambas trabalham a mente, em busca de libertar o subconsciente de lembranças traumáticas. 

Seja qual for a área de atuação, há diversas questões éticas a serem seguidas. Veja o nosso outro artigo sobre esse assunto. Até a próxima!

Esse artigo foi útil?

Clique na estrela para pontuar!

Média de pontuação / 5. Vote count: