Mães narcisistas: como vencer traumas e conquistar autoconfiança

Tempo de leitura: 5 minutos

4.6
(105)

A ideia de que o amor de mãe é o maior do mundo e que ela fará sempre o que for melhor para o filho nem sempre é um fato. Há casos de mães narcisistas, que acabam sufocando os filhos e tornando essa relação difícil. A consequência disso são traumas que podem ter reflexo na vida adulta. 

Nesse sentido, quem tem ou teve uma mãe narcisista precisa de ajuda. Terapia e hipnose são formas de trabalhar as marcas deixadas por uma relação nem sempre saudável do ponto de vista psicológico. 

Conheça mais sobre casos de mães narcisistas e como elas afetam os filhos. Além disso, descubra como encontrar uma forma diferente de olhar para a vida a partir do texto abaixo. Por isso, continue a leitura!

Características de uma mãe narcisista

Na psicanálise, narcisismo é o termo usado para se referir a pessoas que nutrem uma paixão excessiva por si mesmas. Elas se admiram em excesso e, em geral, cultivam a própria imagem.

No relacionamento abusivo com os filhos, as mães narcisistas transferem as frustrações e sonhos não realizados para a criança. Além disso, podem criar um ambiente de competição. Conheça algumas características comuns das mães narcisistas, que podem levar a um relacionamento tóxico entre mães e filhos.

Mães narcisistas são abusivas na criação dos filhos

Para começar, elas geralmente aproveitam o fato de ser autoridade para terem aprovação e cometem abusos psicológicos. Os ataques também ocorrem de forma verbal e emocional, de forma que a mãe sempre se auto vanglorie. 

Se aproveitando do amor incondicional dos filhos, elas os manipulam. Dessa forma, fazem eles acreditarem que são inferiores, o que afeta diretamente a saúde mental dos filhos. 

Mães narcisistas sempre “sabem tudo”

Você conhece alguém que é dono da verdade? Saiba que essa também é uma característica das mães narcisistas.

Essas mulheres não aceitam ser contestadas, nem que os filhos pensem de forma diferente. Afinal, para elas, o seu pensamento e entendimento do mundo é sempre o certo. Dessa maneira, a verdade acaba oscilando de acordo com os seus desejos

Mães narcisistas impõem condições para amar

Mães narcisistas só vão continuar “gostando” dos filhos se fizerem o que elas querem ou determinam. Dessa forma, essas mães acabam interferindo em tudo, até mesmo na escolha profissional do filho e em sua personalidade.

Mães narcisistas tendem a imitar a filha

É comum que as mães narcisistas imitem o que há de novidade para se auto guiar. Dessa forma, muitas vezes, elas se espelham na maneira da filha ou filho se vestir ou agir.

Isso faz com que as mães passem a viver em uma verdadeira competição com os filhos. A tentativa é de ser sempre o centro das atenções e ser popular. 

Ao mesmo tempo, só se sentem bem quando são exaltadas pelos demais. Além disso, essas pessoas vivem de aparência. Elas capricham no visual e no carro para que os outros não percebam a sua baixa autoestima e fragilidade. 

Mães narcisistas não têm empatia

Alguém está sofrendo? Para a mãe narcisista isso não importa, pois ela não tem empatia com ninguém. Afinal, em sua mente, só ela precisa ser notada e exaltada. O que o outro sente não fará diferença em sua vida.

Dessa forma, é egoísta e muito egocêntrica. Subestima os filhos e quer que eles dediquem-se a atendê-la sempre. Afinal, só o sentimento do indivíduo narcisista é importante para ele.

Mães narcisistas são perfeccionistas e arrogantes

No geral, pessoas narcisistas são extremamente perfeccionistas. Como no fundo essas mães têm baixa auto-estima, elas precisam de bajulação. Para isso, tentam desempenhar as tarefas com excelência. Sempre em busca da aprovação do outro. 

Além disso, uma mãe narcisista acredita que veio ao mundo para ser admirada. Dessa forma, naturalmente se torna arrogante. 

Consequências para os filhos quando têm uma mãe narcisista 

Conviver com uma pessoa com baixa autoestima e que promova uma eterna competição, influencia negativamente toda a família.

O filho que está mais disposto a ceder às suas vontades automaticamente torna-se o preferido. Inclusive, isso pode dificultar o relacionamento entre irmãos. 

Nesse sentido, para conviver bem com a mãe, muitos filhos acabam se auto anulando. Assim, eles acabam cedendo a chantagens emocionais e constantes abusos psicológicos. 

Por isso, filhos de mães narcisistas acabam se sentindo invisíveis para os pais. Mesmo depois de adultos, sentem que as suas emoções não servem para nada. Afinal, cresceram com uma mãe que nunca ligou para que os filhos sentiam ou queriam.

Essas pessoas também aprenderam que o carinho é uma moeda de troca e não algo natural. Assim, se tornaram adultos que não tiveram espaço para se construir emocionalmente. O resultado é um sentimento de que não é suficientemente bom para o outro. Dessa forma, podem apresentar:

  • tristeza e angústia;
  • baixa autoestima;
  • falta de amor próprio;
  • e, em muitos casos, até depressão. 

Como a hipnose pode ajudar

Com a hipnose, é possível fazer com que todos os traumas causados pela criação ganhem novo significado. Dessa forma, a pessoa passa a lidar melhor com a memória e poderá se reencontrar na vida adulta. 

Além disso, a hipnose pode auxiliar no cuidado com abaixa autoestima e até da depressão consequente da criação. 

Durante as sessões, a pessoa também pode aprender a lidar com as emoções sob um aspecto diferente. Assim, conseguirá compreender que os sentimentos ruins que ela tem são resultantes de todo um processo de crescimento sito web dell’azienda. Tudo isso, por meio da ressignificação da memória da infância. 

Além do atendimento feito por um hipnoterapeuta, a pessoa também pode conseguir bons resultados com a auto-hipnose. Por meio dela, é possível trabalhar melhor as emoções consigo mesmo. Aprenda tudo sobre auto-hipnose em um curso para iniciantes!

Esse artigo foi útil?

Clique na estrela para pontuar!

Média de pontuação 4.6 / 5. Vote count: 105

No votes so far! Be the first to rate this post.

31 Comentários

  1. Avatar karina palma palma

    Tenho 41 anos e uma mãe tóxica e narcizista, venho desabafar o que algo a anos me aflige e me faz mal.
    Fui criada pelos meus avós, vivi um relação horrível com minha mãe q acontece ate hj.
    Quando perdi meus avós e me separei fui morar sozinha, passei muita dificuldade na vida, e me lembro q um dia liguei para ela para perguntar se ela me emprestava o $ para eu fazer um canal no dente.
    Ela tinha vendido uma casa e me disse q não podia mexer no dinheiro.
    Ela sempre me rejeitou me batia muito, muita das vezes dizia ” pq vc não morre ” vc só da trabalho” eu ia embora para casa da minha avó cheia de vergoes, ela sempre tentava me acertar no rosto, falava q eu nao prestava, me xingava de galinha..biscate..puta entre outros nomes
    Me batia quando tinha q fazer lição de escola, e se eu nao entendesse me batia de novo.
    Me chamava de burra, q eu não iria ser ninguém na vida, q eu era lerda.
    Tive convulsões varias vezes, e ate hj nao sei o motivo disso, pq ela fala q nao sabe tb, as vezes até penso q foi pq ela me batia muito, fiz muitos eletros naa cabeça.
    Cheguei a tomar ate gardenal quando era criança.
    Ela me comparava com os outros, e me diminuia perante os outros, gostava de me humilhar sempre.
    Dizia q meu marido e filhos iriam me bater, rogava praga em mim a vida toda.
    Jogava pessoas contra mim e se fazia de vítima, sendo q até hj muitos parentes nao falam cmg, pq ela pintou o monstro q ela criou para eles .
    Me dizia q eu era horrorosa..sempre criticou minhas roupas..maquiagem..ate o jeito de andar..minhas amizades..absolutamente td q eu fazia.
    Fez com q eu nao tivesse auto estima, acabou cmg, com isso para mim qualquer homem q me aceitava estava bom, pq eu me sentia inferior a td e a todos, era como se eu não merecesse ninguém melhor.
    Sempre tratou meu irmão muito bem, era raro ele apanhar, dava amor carinho e o chamava de filho, coisa q nunca ela fez cmg.
    Me lembro das vezes quando ela chamava meu irmão para almoçar, com a voz doce ” venha almoçar filho” e eu esperava ela me chamar da msm forma..Mas isso nunca aconteceu…
    Ela me chamava com voz de ódio, como de fosse um pezo para ela me dar um prato de comida.
    Muita das vezes brigava cmg na hora do almoço ou janta e eu nem conseguia engolir a comida e se eu chorasse eu apanhava de novo.
    Eu era o saco de pancada dela..Td q acontecia de mal a ela, ela descontada em mim.
    A 6 anos atrás resolvi me afastar de td e de todos, não participei mais de Natal, reveillon, aniversários e festas em familia, pq td isso me fazia mal.
    Quando eu chegava em algum lugar os parentes me olhavam como um monstro, só que ninguém sabia q a vitima era eu.
    Sofri muito nestes anos calada até eu começar a ver que ela nao me fazia falta e me fazia muito mal.
    Segui minha vida a diante com minha filha, casei com um cara abusivo tb q vive por anos, e depois de separada me perseguiu a anos, só me deu um pouco de paz, pq consegui a medida protetiva.
    Separei..comprei minha casa e hj vivo minha vida.
    Estes dias atrás minha mãe sofreu um acidente e precisou ficar em casa uns dias, pensei q ate fosse a oportunidade de quem sabe ainda resgatar algo, porém me decidi de q ela nunca irá mudar, pois ela ainda consegue me tratar mal.
    Até no hospital pedi para ela tomar cuidado e olhar para o chão pq tinha algo q ela pudesse cair, ela falou bem alto ” Vc acha q eu sou idiota”
    Eu e minha filha acordavamos cedo, para preparar o café dela, almoço café da tarde e jantar, mas sempre tinha algo para reclamar.
    O marca do leite q eu usava era horrível, o café e o papel higiênico, nada estava bom.
    Confesso q me segurei para não responder, e guardei para mim
    Falava alto ao tel e deixava no viva voz era o dia todo assim, não nós respeitava.
    Os dias foram de passando e meu irmão q ela tinha como rei nem ligou para ela, e com dois carros na garagem.
    Nem ao menos foi ver no hospital, e nos correndo com ela para todo lugar de táxi, enquanto eu parei minha vida por quase 10 dias.
    Me lembro de um certo episódio em minha vida de quando eu era pequena e eu disse a ela q um dia eu ia levar ela morar cmg, ela respondeu q preferia morar no “asilo” isso me marcou demais.
    Agora vejo q se ela depender do meu irmão é o q irá acontecer, até pq eu tb não sinto nenhum afeto de filha por ela.
    Quando eu falei para ela do meu irmão , ela se revoltou e começou a me ofender, eu revidei pq ate entao eu já não tinha saco mais para aguentar aquilo td. Tentei conversar com ela e saber o motivo pelo qual ela me tratava assim, ela si quer olha para minha cara não consegue, perguntei pq ela reportava todo o ódio q sentia pelo meu pai em cima de mim.Ela ligou para varias pessoas e parentes e disse q não aguentava mais ficar aqui em casa, para alguém vir buscar ela.
    Como se a gente tivesse maltratado ela, o problema q ela nunca gostou de ouvir a vdd e quando eu falei das coisas q ela me fez e q ainda me fazia mal, sabe o q ela me disse?
    Q ela nunca fez isso, e eu estava ficando “ louca” e q eu deveria me tratar..Ainda quis jogar em cima de mim ao erros dela.
    Falou q Deus esta vendo td, isso realmente eu concordo e q ele realmente faça justica pq isso não é mãe, isso é uma pessoa doente q a vida toda me fez acreditar q eu não era ninguém.Os dias q ela ficou aqui ainda eu via no olhar dela o ódio q ela tem por mim.
    Não consigo sentir amor por alguém q nunca me amou.

  2. Avatar Ale cris

    Olha eu super te entendo
    Eu lendo o que vc escreveu até parecia que estava falando da minha mãe e a relação que ela tem comigo!
    É muito triste mesmo !!!
    E sei como vc deve sofrer por isso
    Eu tive sérios problemas de saúde por isso!!

  3. Avatar Rita

    Durante a leitura z minha impressão que estava lendo o meu desabafo escrito naquela página.

  4. Avatar Aline

    Sua história é muito parecida com a minha, só com pequenas diferenças e é uma tortura viver com uma mãe assim e o pior é que ela nunca irá mudar. Triste! Deus nos dê muita força!

  5. Avatar Michelle

    Sua história é muito parecida com a minha. Tenho 42 anose 1 filho de 11. 2 irmãos casados filhos dourados. Infelizmente a minha é narcisista, moro com ela e vivo um verdadeiro inferno aqui. Ela faz todos acreditarem nela. Senhor tenha misericórdia. Eu também tenho convulsões. Crise de ansiedade. Mas sou espiritualizada, reikiana tenho muita fé em Deus.

  6. Avatar Lívia

    Olá, oq eu posso fazer se ainda sou menor de idade e dependo de uma mãe que possui grande parte das características de uma mãe narcisista?

  7. Avatar Aline Almeida

    Compartilho com todas as mesmas angústias , mas o que me incomoda profundamente é não ter uma resposta do porquê dela sempre ter me odiado, desde sempre me odeia, o porquê isso acontece? Que dor! Sou casada, meu marido é um bom homem, mas minha mãe não me deixa ter paz, minhas duas tentativas frustradas de suicidio foram graças a ela. Por que não tenho uma mãe protetora que me ama igual a maioria das pessoas têm?

  8. Avatar Sandra

    Olá. Passei a vida inteira do mesmo jeito c minha mãe. Tenho 45 anos. Querem fazer um grupo?

  9. Avatar Sandra

    Querida, procure ajuda c familiares e se tiver como faça terapia e quando tiver condições saia de casa e viva independente dela. Desde q comevei a teabalhar saí de casa e mesmo assim 18 anos dps qdo pode tentou mandar em mim. Visto q ñ tem como mais me manipular passou a me ignorar, mas a vida inteira fez td q está nas descrições d tds acima. Ainda bem q vc muito nova já sabe q ela é doente. Eu só há alguns anos descobri isso e me fez mal a vida inteira. Ele sempre me tratou mal e de forma inferior e eu nunca soybe o motimo, tendo várias sequelas emocionais por isso. Qdo se sabe mais cedo mais fácil tratar em terapia p q as marcas n acabem c vários pontos importantes da vida como autoestima, segurança emocional etc. Nós ñ somos culpadas ou culpados delas serem assim

  10. Avatar Audrey Katterynne Batista de Souza e Silva

    Realmente, minha mãe é assim. Os depoimentos parece que é comigo. Infelizmente algumas pessoas não receberam o dom de ser mãe.

  11. Avatar Keroll

    Minha história é parecida eu tenho 2 mães toxicas uma adotiva e a outra é biológica a biologica nunca se importou comigo me abandonou quando eu era um bebê a adotiva era pior era minha tia avó que me adotou ela sempre jogou na cara quando eu era pequena que eu nunca ia ser a filha dela me impedia de trabalhar diminuia meus namorados por não serem ricos e sustentar ela vivia me manipulado para ter minha grana toda oferta de emprego colocava defeitos fora isso era defeito no meu cabelo e nas minhas roupas falava que eu não devia casar e ter filhos porque eu não devia namorar ninguém quando eu falava que ia sair de casa ela falava que eu não podia que eu não devia era extremamente machista quando eu tava na transição capilar que era cortar a quimica do cabelo e deixar meus cachos naturais ela falou que meu cabelo curto era horrivel que eu parecia um homem sempre falava que eu devia ser independente mas nunca deixava eu ser independente quando gangei uma bolsa na faculdade do Rio de Janeiro ela ficou falando um monte de merda quando comecei a trabalhar e com dinheiro comprar coisas para mim ela ficava falando merda usava meus cartões de crédito e quando eu cobrava falava merda e mal me pagava as vezes era um sacrifício tudo girava em torno dela eu resolvi reformar meu quarto pq a enchente destruiu e eu fiquei 3 meses com rinite alérgica dormindo no mofo ela tentou controlar até as compras do material do meu quarto até a forma que eu ia colocar a cama no quarto ficava falando que eu n faço nada mesmo sabendo que ajudava em casa e emprestava os cartões de crédito e ajudava ela quitar as dividas dela nunca se importou com essa coisa de amor e carinho sempre era que eu era como minha mãe e um monte de merda não gostava que eu corria atrás dos sonhos sempre tentava me manipular e toda vez que eu desviava ela ficava super rude

  12. Avatar Paula

    Lendo esses relatos vi que não estou LOUCA como ela me chama toda vez que rebato o descaso dela comigo e com minhas irmãs mulheres.
    Vivo um inferno emocional e sentimental quando estou perto dela ,constantemente sou jogada contra meus irmãos e pai ,sou difamada e apontada pelos outros enquanto ela sai de VÍTIMA e coitada de toda a história da vida.
    Ela nunca amou as filhas igual , eu por anos quis a amizade dela enquanto ela sempre me dizia que não tinha amigos.
    Quando chegava visitas em casa ela me chamava de filha, e amor, quando não tinha ninguém por perto nem um bom dia me dava.
    Sai de casa por um tempo e fui morar longe,lá foi minha liberdade mental,e percebi de longe o que era errado e certo. Não sou a filha de ouro, mas também não sou a louca horrível que me pintam por aí.
    Decidi me tratar,e ser feliz ,longe emocionalmente de quem me fere constantemente , quem decidiu ficar do lado dela e das suas mentiras que provem do mesmo veneno que ela me injetou a vida toda.
    Mulheres, se tratem, leiam livros de autoestima,faça algo que te faça feliz,e aos poucos vá se afastando dessa rejeição por parte de suas mães.Eu sei que dói e é um tratamento diário para se livrar do efeito maligno de dor e sofrimento,mas conseguiremos.

  13. Avatar Rubi

    Me vi em muitos desses relatos e é muito triste isso. Dói demais …

  14. Avatar Julie

    Hoje eu sei que a forma que ela me trata é isso. Disputa, se sente superior, quer aparecer a todo custo… Minha personalidade é parecida com a de meu pai, introvertido, já ela faz questão de ser notada. Minha felicidade incomoda ela e logo trata de estragar. Se vitimiza para as pessoas me odiarem, mas que sempre a ajuda sou eu, porém ela não é grata. Eu não vejo a hora de conseguir um trabalho e ir embora, já fiz isso e tive muita paz. Longe até meu sistema imunológico melhorou.

  15. Avatar Anonymous

    Tenho 41 anos e só agora entendi o que está acontecendo na minha vida desde sempre. Tenho temperamento explosivo e ela sempre me acusou de ser igual meu pai, quem ela tem sua versão de como ele era. Sei q ele nao era fácil de conviver, mas me lembro dele comentando coisas sobre ela e que hoje entendo que ele tinha razão. Morei com ele e me arrependo de ter voltado pra casa dela. Recentemente, ela me chamou de demônio, que eu a abafava, não a deixava viver. Convivo com essas ofensas desde que me entendo por gente. Isso tudo em frente a minha irmã mais velha, que se afastou cedo de casa pra casar e nunca conviveu com suas maluquices. Aliás, essa minha única irmã é idolatrada por ela. Sempre tem razão e é a “coitadinha” da história. Sua desculpa é que sou forte e não preciso de carinho e proteção. Passei muitos anos anulando meus gostos e vontades pra seguir o que ela queria. Quando quis fazer teatro, ela me dizia q isso não sustentaria minha filha, quando jogava vôlei, ela dizia que não era boa suficiente. Aos poucos, já com meus 30 e tantos, coloquei minha vontade na frente e me mudei de estado, queria dar pra minha filha uma vida melhor. Ela relutou, mas veio. Constantemente joga na minha cara que preciso dela pra criar minha filha, já que trabalho e não tenho com quem deixá-la. Minha filha tem um apego enorme e não entende a minha relação com a avó e temo por isso. Tento explicar que somos diferentes, mas que a amo mais que tudo e que jamais vou abandona-la. As vezes penso em como seria mais leve se ela simplesmente partisse. Me sinto péssima em desejar que ela esteja fora da vida da minha filha, mas eu teria paz.

  16. Avatar Camila Da Silva

    Sou a Camila da Silva, e quero parabenizar você pelo seu artigo escrito, muito bom vou acompanhar o seus artigos.

  17. Avatar Paula

    Use seu tempo estudando. Estude! Estude bastante para ter uma profissão. Com a profissão você terá trabalho. Com trabalho você terá renda. Com renda você terá condições de sair de casa. Não caia em deslizes morais. Faça tudo com honra e dignidade para que a vida seja próspera e você possa verdadeiramente ter liberdade emocional.

  18. Avatar Ana

    Ser filha de mãe narcisistas é muito difícil. Sempre sofri bullying por parte da minha mãe. Sou diferente dos meus irmãos. Tenho cabelo crespo e não liso como os deles. Sempre era chamada, das piores coisas. Ouvi que não prestaria pra nada. Que não seria feliz. Que não deveria ter nascido. Que nasci para infernizar a vida dela. Me chamava de demônio do inferno, etc. Sempre amei mto minha mãe e ainda amo mto. Não sei viver longe dela. Sempre busco o amor dela. Já adulta me defendo mais, e ela até me respeita mais. Sempre fui a filha feia, e ainda escuto isso as vezes. Ahh seu cabelo está feio, vc está gorda, que roupa estranha. Me achei feia a vida toda, tinha mania de perseguição, achava q as pessoas não gostavam de mim. Não conseguia ter amizades. Sempre descofiava das pessoas e o q elas poderiam achar de mim. Fui uma pessoa muito negativa. Cresci odiando as coisas. Sofri bullying na escola, por causa do meu comportamento. Ela sempre querendo minhas coisas ou ter iguais. Tem raiva qdo eu viajo ou saio para algum lugar, q ela não pode ir! Sempre que posso a levo comigo, sempre que posso a ajudo. Muito triste isso! Até pouco tempo não sabia q sofria disso. Hj faço terapia comportamental. Sofro de ansiedade generalizada, algumas fobias. Tomo remédios controlados. Espero um dia todos nós superarmos isso! Um abraço a todo!

  19. Avatar THAIS STEFANY SOUZA ROCHA MACHADO

    Eu também me identifiquei com vários relatos, situações bem parecidas. Nunca entendi bem isso , porque esse inferno todo na relação com minha mãe . Quando conheci meu marido ele me disse que a minha mãe não gostava de mim e não entendia como isso era verdade. Hoje eu vejo claramente que ela tem inveja de mim, as vezes finge que me ama , mas no fundo eu sei que só se importa com ela mesma. Ate meus namorados e meu marido ela já deu em cima várias vezes, se pudesse roubava meu marido.
    Mas eu cansei de ser feita de trouxa, vou ficar o mais longe possível , porque quando penso que ela mudou , aí que ela vira o demônio.
    Muito triste isso mas é a verdade , melhor aceitar que dói menos ?

  20. Avatar Ana

    Eu também tenho uma mãe tóxica, não exatamente narcisista, mas muito manipuladora.
    Ela vive em função de controlar a minha e a vida da minha irmã, por isso nunca trabalhou para nos vigiar 24h.
    Ela escolhe tudo em relação a mim. A faculdade que tenho que fazer, como eu devo falar, os amigos que devo ter, até as roupas que eu visto tanto na hora de comprar quanto de tirar do armário para vestir.
    Ela está me levando ao psiquiatra e mentindo para ele que sou uma pessoa louca e desequilibrada para que o médico me dope e ela ter mais controle sobre mim. Esses remédios me deixam uma pessoa vazia e sem emoção.
    Tenho 23 anos, não tenho amigos, nunca namorei, estou desempregada desde que me conheço por gente, não estudo e quase nem saio de casa. Me sinto extremamente dependente dela e não consigo pensar em nada que me tire dessa situação.
    Eu sinceramente não sei em que patologia essa mulher se encaixa pois ela me faz sentir remorso por odiá-la, pois até parece carinhosa e dedicada, mas é extremamente controladora e possessiva.
    Eu até sinto certa raiva de outras mulheres quando anseiam muito ter uma filhA, pois penso que é apenas uma mulher controladora querendo uma menina pra poder controlar e manipular melhor, pois ter uma filha é uma relação bem mais hierárquica. Eu não vejo mães fazendo isso com filhos homens. Se fazem é com uma frequência muito menor.

  21. Avatar Alana

    Você contou a minha história Karine

  22. Avatar Elizangela Silva

    Me vi nesse relato exatamente assim…
    Passou como um filme ate o irmao, quem sempre faz tudo por ela sou eu ele que leva o mérito.
    Exatamente aos 41 anos descobri as respostas para perguntas qje fiz a vida toda.

  23. Avatar Maria Eduarda

    Lendo tudo isso aqui, me sinto um pouco mais “confortável”, saber que não sou a única que passa por isso, ou a única que não consegue sentir afeto pela própria mãe…
    Me chamo Eduarda e tenho 19 anos, com uma carga de vida de uma pessoa de uns 40 anos por toda responsabilidade que sempre fui obrigada a ter. Minha mãe é totalmente tóxica, e eu sempre tentei me dar bem com ela, e sempre me culpava por não conseguir me aproximar dela e nem se quer sentir amor por ela, tenho até hoje crises muito ruins por isso, por achar que era culpa minha essa falta de afeto.
    Minha melhor amiga começou a cursar psicologia e um dia mandou eu pesquisar sobre esse assunto, e no dia eu fiquei totalmente chocada com tudo aquilo que li, mas a casa dia que me da coragem eu pesquiso mais e mais (e choro todas as vezes).
    Quando mais nova sempre aguentava tudo calada, até pq era apenas uma criança, ela sempre teve vários relacionamentos e todos eles ela colocava pra morar dentro de casa. Quando completei uns 13 anos comecei a ver as coisas de outra forma, acho que foi quando minha personalidade começou a ficar mais aflorada e a partir disso tudo piorou. Nunca tivemos relação nem de mãe e filha e nem de amigas, parecia uma prisão onde ela era o coronel, só sabia bater e gritar o tempo todo.
    Percebi que ela tinha esse problema apenas agora, vendo todas as atitudes que descrevem ela totalmente, e uma das atitudes que mais me marcou foi quando eu terminei o ensino médio e queria sair de casa para fazer faculdade, passei no ENEM e ela não me deixou ir, dizendo que agora que cresci era a hora de eu trabalhar para ajudar dentro de casa e retribuir tudo oq ela já tinha feito por mim, e que a prioridade era ela e minha vida eu resolvia depois, que eu teria muito tempo pra isso… Isso foi a coisa mais ridicula que já ouvi, e como ela estava acabando com um sonho meu tive coragem de “enfrentar” ela, disse muitas verdades para ela.
    Falei com todos os meus familiares que ela sofre desse e outros distúrbios como sociopatia, e que precisa muito de ajuda psicológica, para eles fazerem algo por ela pois eu ja desisti, peço perdão para Deus todos os dias por isso, ainda me sinto culpada e choro todos os dias, mas tento por na cabeça que não é culpa minha.
    Enfim, não sei se alguém irá ler, mas foi bom escrever aqui, me sinto mais leve e desde a hora que comecei a digitar não paro de chorar…
    Desejo bastante forças para nós que passamos por isso, pois precisamos muito!

  24. Avatar belli

    é péssimo visualizar isso escrito, mas eu odeio a minha mãe. e sei que ela também não me ama. imagino que ela enxergue em mim a face e os trejeitos do meu pai. que é sim, um canalha que batia nela. mas eu não tenho culpa nenhuma e sei disso. ela me machucou muito. me machucou primeiro por omissão. eu era surrada e humilhada quase todo dia pelo meu padrasto quando criança. lembro que na época, todo dia pela tardinha, esperava ansiosa, no portão de casa, para que ela descesse do ônibus que a trazia do trabalho. era o momento mais esperado do dia. hoje eu sei que ela precisava trabalhar, que precisava estudar e embora eu negue, sei que não havia outro lugar para morar. enfim, ele deixava bem claro (desde o começo, aliás) que eu não era tolerada. desde os 4 ou 5 anos eu ouvia diariamente que eu era um “monte de bosta”, uma “imundícia”, que eu era a “criada” da casa, que eu estava ali de favor, que eu era uma “tchanga”(?) tudo era motivo pra surra. e eu não to brincando. ele me batia pra valer. toda a vizinhança sabia. eu era um incômodo, “cria incomodativa”, eu era o resto da família que devia ter sido deixado para trás. então, essa foi a omissão. eu devia ter uns 9 anos quando minha mãe arranjou um emprego em outra cidade e o dia pelo qual eu tanto esperei havia chegado. iria embora daquele inferno e nunca mais veria aquele monstro… só que não. todo fim de semana, eu, ela e minha irmã voltávamos à cidade em que morávamos com meu padrasto. a viagem era cansativa, viu. ia toda sexta e voltava domingo. eu continuava sendo tratada como lixo pelo meu padrasto, mas com minha mãe as coisas continuavam bem, até que na 5a série, eu mudei de colégio e estava atrasada em matemática. suei muito pra aprender o conteúdo e tirei 8,5. cheguei em casa com a prova e apanhei. levei um tapa na cara e fui chamada de relaxada. depois disso, os tapas e as surras foram ficando mais frequentes e o limiar de tolerância dela era bem baixo. não precisava de muita coisa pra ela explodir. virei saco de pancada, ela descontava tudo em mim. “plasta, lerda, retardada”, assim que ela me chamava. cresci, cheguei na adolescência e ela ficava comentando os detalhes da minha puberdade com todo mundo, sempre me constrangendo., fazendo comentários escrotos. nossa, que nojo. que falta de respeito, que falta de noção, que falta de tudo. na época em que eu recém tinha menstruado, ela me levou à médica porque afinal “eu já podia estar dando por aí”. detalhe, eu mal tinha 13 anos na época. nessa época, durante 6 meses, voltamos a morar com meu padrasto. foi um inferno. o trabalho dela era ruim, ela arranjou um amante na época e queria mandar a família toda pro espaço e ela e o meu padrasto me tratavam muito mal. mesmo. teve um dia, era meu aniversário, que tinha aula de tarde, o almoço demorou pra sair e eu apressada, não queria lavar a louça, e além disso era meu aniversário e eu achava que era um dia especial (que tola, rs), ela só me deu um tapão na cara na ocasião. eu ainda lembro. e dói. voltamos para a nossa casa, sem o meu padrasto. eu estava diferente, estava em pleno crescimento. meu cabelo, que era liso, enrolou. minha pele ficou oleosa e nela brotavam espinhas. meu corpo estava mudando. lembro dos comentários dela a meu respeito. do meu cabelo feio e mal cuidado (que ela nunca me ensinou como ajeitar), “ai, tá toda espinhenta, como tua pele tá horrível”, no entanto, ela nunca me ensinou como cuidar disso. com uma cara de nojo que eu lembro até hoje, “nossa, que gorda, cruzes! tá cheia de celulite… na tua idade eu pesava 49 kg” tudo sobre ela era superior. sempre. nessa época eu apanhei muito, só na cara. às vezes rolava umas surras de cinto, mas as ofensas verbais marcaram muito mais. eu me mudei pra fazer faculdade e os comentários não pararam. tive problemas psicológicos, ansiedade, depressão, compulsão alimentar. engordei 18 kg. ano passado, quando eu tava no fundo do poço, fui pra casa dela, pra passear. demos uma volta de carro e do nada ela começou a berrar comigo. disse assim “tu tá virada numa baranga. tu tá inserida num ambiente de alto nível e tem que estar apresentável para as pessoas de lá. gorda desse jeito tu acha que algum cara da faculdade vai te querer?” eu lembro muito bem do tom dela. do ódio. do nojo. revidei, como sempre fiz frente aos ataques dela. ela gritou, eu gritei mais alto, ela gritou mais e eu explodi. chorei. ela venceu. acabei emagrecendo em virtude da melhoria das minhas condições psicológicas. melhorei muito. precisava e continuo precisando de um recomeço. todo dia é meu recomeço. pois esses dias ela me mandou um textão dizendo que eu não me importo com ela, que só a procuro quando preciso de algo e que não tenho senso de família, que sou desnaturada… como se essa escolha tivesse sido antes minha do que dela. como eu vou querer interagir com alguém que só me humilha? como eu vou ter saudade de quem só me arrasa? no instagram, enquanto estamos longe, ela adora comentar minhas fotos com coraçãozinho, diz que tá com saudades. aham. sei. uma pena que eu não possa dizer o mesmo. saudade a gente só sente do que faz bem.

  25. Avatar Rocio Fernandez

    Tenho depressão e vários pensamentos suicidas, além de síndrome do pânico e transtorno de ansiedade. Só agora na idade adulta entendi que cresci num lar abusivo. Cresci apanhando e sendo ofendida quase que diariamente pela minha mãe. Ela colocava os meus irmãos contra mim, cresci sendo a pária da família. Ela levava homens pra casa e deixava eles falarem coisas sexuais para mim e nem sequer me defendia. Me batia na hora de comer se eu quisesse repetir. Na adolescência começou a competição por aparência, eu era magra e linda, ela me chamava de feia, dizia que minhas roupas eram trapos. Queria competir pra ver quem tinha a cintura mais fina. Quando ela se casou denovo, meu padrastro era um filho da puta, abusador igual ela, um dia ele me bateu e ela disse que eu era amante dele, que ele me bateu por ciúmes, eu tinha 11 anos. Aprendi rápido que pra alguma coisa dar certo na minha vida, eu tinha que ficar bem quieta, porque se ela ficasse sabendo arrumava um jeito de destruir, ou jogava tanta urucubaca que acabava dando errado. Uma vez eu recebi meu pagamento, ela roubou todo o dinheiro, eu queria abrir uma poupança pra começar a guardar, mas como era menor de idade ela teria que ir comigo ao banco, ela não quis ir e pegou todo o meu dinheiro para comprar sandálias para minha irmã e ela. Quando eu ficava menstruada ela escondia os modess de mim, eu passei a adolescência usando toalhinhas, muitas vezes perdi aula porque tinha medo de manchar a calça. Já adulta consegui uma bolsa de estudos e entrei na faculdade, ela fez um escândalo que eu não conseguiria pagar (a idiota não sabia que a bolsa era integral), quando ela descobriu que eu não precisava pagar a facul disse que eu não iria conseguir porque eu era burra, sendo que eu posso ser tudo menos burra, sempre tive as melhores notas na escola, era uma feta na matemática e amava literatura, e a própria bolsa foi conquistada na garra, fazendo provas difíceis, enfim. Quando me formei eu já havia me casado e saído de casa, ela foi na formatura dizendo a todos que era a grande responsável por aquela vitória, que todos os filhos dela estavam bem encaminhados, sendo que só eu havia feito faculdade, meus irmãos não fizeram, na verdade nem tentaram. Para o meu marido ela dizia que eu era sirigaita rodada, que eu dava pra qualquer um, pra ele tomar cuidado para não levar chifre. Eu tive dois namorados sérios antes dele, e ele sabia, meu “passado” nunca foi uma questão para o nosso relacionamento. Até que uma vez ele me disse se valia à pena correr atrás da minha família, porque eles sempre estavam me colocando pra baixo e tentando me denegrir de alguma forma, as viagens que a gente fazia, o nosso carro, nosso apartamento, tudo pra eles era ruim, feio, lixo. Então eu comecei a entender a diferença entre uma boa família, uma mãe que cuida dos filhos mesmo depois de adultos que é o caso da minha sogra, por exemplo, e a minha que nunca me deu apoio em nada. Agora nessa pandemia ninguém nem sequer me procurou pra saber se eu estava viva, se estava bem, eu liguei para ela uma última vez e foi a mesma merda de sempre, culpa, cobranças, maledicências. Depois de estudar um pouco sobre narcisismo materno, eu entendi que o melhor era romper de vez com ela. Foi difícil pra mim fazer esse rompimento, porque eu ainda tinha esperança de um dia as coisas melhorarem, mas entendi que ela nunca vai mudar. Rompi com ela, com meu pai e com meus irmãos, ainda sofro, mas estou trabalhando no meu emocional. Esse depoimento é a primeira vez que falo publicamente sobre isso. Espero me livrar das minhas doenças e ser feliz com a família que eu vou construir com meu marido.

  26. Avatar Priscila coelho

    Nossa!!!
    Parece muito com a minha história.
    Minha mãe me agredia verbalmente, me humilhava , me ridicularizava, jogava uma irmã, uma contra a outra
    Hoje meu relacionamento com a minha irmã é de inimiga mesmo.

    Minha mãe já me agrediu por verbalmente por causa de um brinco, que ela esqueceu importa luvas do carro.
    Depois me acusou de ter perdido.
    Ela me xingou e veio me agredir, segurei os braços dela, e disse que não iria admitir.
    Primeiro pq não tive culpa, segundo que ninguém vai bater na minha cara.
    Nesse dia ela mandou eu sair da casa dela..
    Fiquei dormindo na casa de um é de outro, me senti um lixo.
    Quando ela viu que os brincos estávam no porta luvas, ela nunca , nem se quer se desculpou.
    Sofro a tanto tempo, não acredito na minha capacidade, me acho um lixo.
    As pessoas com que me envolvi eram abusadores, parece um ciclo interminável.
    Toda a minha vida eu não quis existir.
    Eu pensava em morrer logo desde criança.
    E uma cruz muito pesada que não consigo suportar.

  27. Avatar

    Ana vc me descreveu aí a minha tbm é assim! Tenho a mesma idade e estou na mesma situação sem trabalhar, namorar etc. Fiz 24 esse ano. Só de ler seu relato da vontade de chorar e raiva.passei por isso e passo ainda, so que algumas coisas mudei sabe, dessa parte de roupa, as vezes reajo agressiva pra me defender grito e falo um monte. Mas algumas coisas ainda me afetam, Nao sei o que fazer tbm, meu pai está sem trabalhar desde 2018, e ninguém dos meus patente sabem , ELA escondem e eu não aguento mais segurar isso! Porque quando falo de algo errado que vejo, tipo quando ela tá atacada ela começa comer as coisas tudo de vez, desperdiçar coisas, parece criança, eu falo pra o bem, pra não gastar as coisas, e ela fala “parecendo até q é vc q compra algo” eu falo vc que nao é! Até pq o dinheiro é do governo o auxílio, A mulher nunca quis trabalhar , meu pai sempre falava pra vender algo sagaldos tudo ela bota dificuldade. Aí penso se eu conseguir trabalhar vou ter que sustentar eles e aí penso como vou sair de casa ter meu canto!? Se vou ter q sustentar eles, Ultimamente esses dias ela atacou de novo veio pra cima de mim! Deus me perdoa mais as vezes e ESSES dias as vezes so fico pensabdo o dia q ela for embora (partir pra outro plano) fico pensando isso sabe se eu vou sofrer ou vai ser mas leve, sei lá. Mas me doi, e da até medo.ģ

  28. Avatar

    Você tem celular ? Olha acesse o you tube e pesquise o canal Virgínia Clouse Mães narcisista , ELA tem dois canais, e lá ela posta vídeos falando sobre isso, dano dicas. Apesar que antes ela postava mais coisas dicas de como sobreviver, mas agora ela tá dano curso,, e aí os vídeos dela que tinha antes , ela tá usando pra os cursos. Mas vc pesquisa lá pra ver se te ajuda em algo como vc sobreviver aí isso, ELA tem instragan tbm é facebook, ela tem grupo no face (nao sei se ainda tem) e no telegram. Eu não tenho cel então nem posso entrar no grupo de telegram. Ah! As pessoas falam que tem q fazer pedra cinza, nao falar nada pra ela sobre vc, ou sua vida, falar só o básico, comer ir pra o quarto , ficar distante só no quarto. Se vc tiver coragem vc deveria fugir de casa! E se tiver algum lugar pra ir, ou se vc tiver algum parente q acredite em vc ou amigo (a) vc contava pra eles, mas as vezes as pessoas nunca acredita na gente! Esse psiquiatra não tem como vc contar a verdade a ele não? Ou ele não ia acreditar em vc? Melhor não né. E NÃO tome os remédios não! Finja que tomou , finja que engoliu, tenta esconder la atras perto do ceu da boca, atras da língua, em baixo da língua não! Lá atrás perto do último dente. Ana vc tem rede social ?

  29. Avatar

    Eu to sofrendo isso todo dia. Me doi tanto.pq vejo coisas erradas e não posso falar , quando falo ela surta, vem até pra cima de mim! PIOR que eu dei ousadia , e aí começou tudo de novo a piorar. Esses dias tá demais, não tenho ninguém, com que desabafa, já pensei tantas vezes fugir, mas não tenho lugar, nem trabalho tem, nunca trabalhei, só fui ao ensino médio completo. Tenho 23 anos. Não aguento mais só queria fugir. Gente vamos fazer um grupo pra se apoiar ?

  30. Avatar Giovana

    Mas as vezes não temos nem liberdade pra comer imagina estudar! As pessoas falam estude. Mas eu vou estudar, mas vai adiantar o que,se toda prova de concurso , vestibular pra faculdade púbica tenho que pagar!? e dependo deles pra pagar! E no momento tá todos aqui sem trabalho. Eu não sei mais o q fazer. Não aguento mas esoncder isso dos meus parentes q meu pai não tá trabalhando. a sorte é o auxílio, mas se acabar o que vai ser de novo ??

  31. Avatar Michele

    Tenho 37 anos e sou filha de uma mãe narcizista. O pior é quando se é filha única e seu pai tbm compra as ideias desta mãe e vc é o ser mais ingraro da face da terra. Assim é minha história uma filha única de uma mãe narcizista e um pai anulado e manipulado. Tendo aprender a lidar com isso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − cinco =