Nem todo mundo gosta de ir ao dentista e, por isso, acaba deixando o tratamento sempre para depois. Isso é um grande problema, que coloca em risco a saúde bucal e pode levar a pessoa a ter cáries crônicas, dores e até a perder dentes. Assim, é necessário fazer algo para que o medo não impeça a pessoa de se tratar. A hipnose na odontologia pode ajudar nesse sentido.

Com o uso da hipnose, o nervosismo e a ansiedade do paciente podem ser controlados. Dessa forma, as pessoas ficam mais relaxadas durante os procedimentos, o que permite que o profissional atue com mais tranquilidade.

Saiba mais sobre a hipnose na odontologia e quando ela pode ser usada sob uma perspectiva ética. Continue a leitura!

Hipnose na odontologia: histórico e regulamentação

A hipnose já era usada no Brasil por tribos primitivas, que tinham como forma de induzir um estado de transe o ritmo no qual tocavam os seus tambores. Contudo, não há uma data certa para o uso delas por dentistas aqui no país.

Todavia, no mundo há relatos de que a hipnose na odontologia foi usada pela primeira vez em 1836, quando J.V. Oudet realizou uma extração sem o uso de anestesia química. Além disso, na Segunda Guerra Mundial faltou anestésico nos campos de batalhas. Por isso, para poder realizar os procedimentos cirúrgicos, alguns médicos passaram a usar a hipnose. Isso incentivou a realização de novas pesquisas para comprovar como o uso de hipnose poderia substituir a aplicação de anestésicos de forma eficiente. 

Já em 1950, o Sindicato dos Odontologistas de São Paulo realizou a primeira conferência sobre hipnose. Depois disso, foi a vez de regulamentar o uso da hipnose na odontologia. Isso foi feito por meio do artigo 6 da Lei nº 5.081, de 24/08/66 do Conselho Federal de Odontologia/CFO, que permite tal prática. Contudo, exige que os profissionais sejam devidamente habilitados e tenham realizado cursos específicos. Isso impulsionou a criação de cursos sobre hipnose na odontologia.

Aprovação e regulamentação

Já em 2008, o Fórum para Regulamentação das Práticas Integrativas e Complementares à Saúde Bucal, que aconteceu em Brasília, contou com a presença de mais de 300 profissionais da área. O evento foi promovido pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO) com apoio dos Conselhos Regionais de Odontologia (CRO) e do Ministério da Saúde (MS). Nele, foi aprovado e regulamentado o uso, por dentistas, de:

Também foi determinado que, para ser habilitado a tal prática, é preciso que o cirurgião dentista, além de contar com graduação completa na área, possua o certificado de um curso, com duração mínima de 180 horas.

Benefícios do uso da hipnose por cirurgiões dentistas

O uso da hipnose é ilimitado e pode servir desde para diminuir a ansiedade do paciente, até para aliviar a dor. Assim, podemos elencar como benefícios:

Indicações do uso da hipnose na odontologia

Primeiramente, o cirurgião dentista deve avaliar, caso a caso, para saber quando e porque a hipnose na odontologia deve ser empregada. Dentre eles, há indicação para quadros como por exemplo: 

Assim, como visto, a hipnose pode trazer diversos benefícios, quando usada no consultório odontológico. Desde deixar o cliente mais calmo, até aliviar a dor. 

Por isso, atualmente, ela é regulamentada em diversas áreas da saúde. Conheça algumas delas.

3 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *