Apego emocional: como se livrar dele quando é um sofrimento

Tempo de leitura: 4 minutos

4.2
(6)

Entende-se que o apego é uma maneira de um indivíduo manter proximidade de algo ou de alguém que seja importante para ela. Essa pessoa, a qual o indivíduo é apegado, supre alguma necessidade ou deficiência emocional que o indivíduo tenha. 

Esse tipo de relação pode ser formada desde a infância. Dependendo da forma como a criança se relaciona com a mãe ou com a pessoa que cuida, por exemplo, ela desenvolve esse apego. Ou seja, ela se identifica e se liga àquela pessoa que supre as necessidades diárias.

Esse mesmo processo pode ser levado para a vida adulta. O problema é que nem sempre o apego é algo saudável. Às vezes, ele resulta em sofrimento e, quando isso acontece, é preciso mudar. Continue a leitura e saiba mais!

Quais os tipos de vínculos e por que nos apegamos tanto?

A busca por segurança e complementação de necessidades e sentimentos vem desde a infância. Na vida adulta, isso continua. Escolhemos pessoas mais próximas no trabalho, por exemplo, com as quais chegamos a dividir informações pessoais.

Tudo isso graças à busca pela adaptação ao meio. Em uma relação amorosa, o vínculo também acontece. Contudo, nesse caso, é devido a uma identificação natural, também chamada de afinidade.

Seja como for, a formação de vínculo é algo natural e faz com que as pessoas se sintam vivas. O ser humano não sobrevive sozinho, o que faz com que o vínculo ou o apego seja algo vital. Contudo, há uma classificação dos tipos de apegos.

O chamado apego seguro é quando a pessoa se sente feliz tanto com a relação mais íntima, quanto com a independência. Quando a separação ocorre, a pessoa entende como algo natural.

Há também o apego evitante, no qual a pessoa sente que não precisa de relações sociais mais íntimas e se recusa a aprofundar vínculos. Por outro lado, no apego ambivalente há uma grande busca por um grande nível de intimidade. 

O problema é que, com isso, a dependência emocional se torna extrema e a insegurança de uma ou das duas partes, faz com que a pessoa passe a questionar o seu próprio valor.

Por fim, há o chamado de apego desorganizado. Ele é assim classificado quando embora a pessoa tenha vontade de estabelecer laços profundos com outra, ela tem dificuldade. No geral, esses indivíduos não acreditam que as intenções do outro são boas. 

Como identificar que o apego é algo ruim

Quando o apego é tão exagerado que chega a afetar o equilíbrio mental da pessoa, é hora de procurar ajuda. Buscar o autoconhecimento, entender a própria importância e mudar essa sensação de angústia são atitudes importantes. Há vários sinais que podem indicar que um apego é ruim. Veja a seguir alguns exemplos.

  • A sua relação é tão intensa com uma pessoa, que acaba prejudicando o relacionamento familiar, no trabalho ou com amigos;
  • Você passa a manter a proximidade com o outro apenas para satisfazer o seu egoísmo e não porque realmente deseja;
  • Tenta tornar a relação mais saudável e com limites, mas sempre falha;
  • Vê o outro apenas como alguém que pode fazer favores;
  • Só de pensar em perder a companhia da pessoa, sofre e tem sentimentos de pânico;
  • Não consegue nem imaginar viver sem o outro;
  • Só participa de uma atividade se a outra pessoa estiver presente e deixa de ir ao que antes gostava, só para não se sentir só;
  • Briga por qualquer coisa, sem real necessidade, com frequência;
  • Tem um comportamento inseguro e isso vem prejudicando a sua vida;
  • Compete com o outro e se pergunta quem ama mais;
  • Deixa os amigos de lado para viver apenas uma relação, pois não consegue desapegar;
  • Muda corte de cabelo, estilo de roupa ou qualquer outro item do visual, sempre pensando em agradar o parceiro;
  • Finge interesse em algo, só para ficar ao lado da pessoa;
  • Não se empolga com nenhum plano, se a pessoa não estiver incluída;
  • Leva o companheiro a eventos nos quais ele não deveria estar presente, como em evento no trabalho ou reunião de amigos;
  • Está disposto a desistir de tudo o que gosta só para não perder a companhia do outro. 

Como a hipnose pode ajudar a desapegar de alguém

Quem quer alterar esse apego nocivo e ter uma vida mais tranquila e independente, pode recorrer à hipnose. Nas sessões, é possível mudar a forma como a pessoa vê o relacionamento e a importância que ele tem na vida dela.

Além disso, quando essa dependência causa sofrimento, é possível ressignificar a origem desse apego nocivo e reaprender a criar vínculos, sem sofrer. Sem contar que, por meio da hipnose, é possível conquistar autoconhecimento e mais segurança, o que ajudará a mudar a maneira como se relaciona com as pessoas. 

De qualquer forma, quem prejudica a própria vida por causa do outro precisa de ajuda. A hipnose poderá colaborar para diminuir o sofrimento e a melhorar a qualidade de vida. Ela também pode ser usada para superar uma traição. Saiba mais neste outro artigo do nosso blog

Esse artigo foi útil?

Clique na estrela para pontuar!

Média de pontuação 4.2 / 5. Vote count: 6

No votes so far! Be the first to rate this post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *