Hipnose Reduz Ansiedade Pré-Operatória em Pacientes Adultos

Tempo de leitura: 4 minutos

Rate this post

Vários estudos indicam que muitos pacientes adultos que estão sob anestesia e cirurgia apresentam ansiedade e angústia não tratadas, na manhã de uma cirurgia.

Atualmente, milhões de americanos usam rotineiramente terapias complementares e alternativas, como acupuntura, ervas e hipnose.

A hipnose é definida como um estado de atenção focalizada com maior receptividade para abordagens aceitáveis. Nesse estado, a natureza crítica ou cética de uma pessoa é contornada, o que permite que ela aceite as sugestões. O procedimento de hipnose consiste em uma indução, que leva o paciente ao estado de transe e, em seguida, a entrega de sugestões aceitáveis. Estas, que são entregues ao paciente, para ajudar a alcançar os objetivos da sessão.

Dada a crescente popularidade da medicina complementar e alternativa, e a necessidade de desenvolver novas intervenções ansiolíticas pré-operatórias, foi realizado um estudo randomizado de atenção controlada. Tem o intuito de avaliar a eficácia da hipnose como uma modalidade de tratamento para o tratamento da ansiedade pré-operatória.

O leitor deve notar que o estudo foi destinado apenas para medir o impacto da hipnose em Ansiedade antes da cirurgia e não os efeitos da hipnose em requisitos anestésicos ou resultados pós-operatórios.

Métodos

Os sujeitos foram submetidos a procedimentos cirúrgicos ambulatoriais, de 18 a 65 anos e estado físico ASA I-III¹ foram inscritos no estudo.

Todos os indivíduos que estavam tomando algum medicamento psicotrópico, haviam usado hipnose no passado, ou tinham histórico de distúrbios afetivos foram excluídos deste estudo controlado e com controle rotineiro.

Com base em um número aleatório gerado por computador, todos os indivíduos foram randomizados em três grupos: hipnose, controle de atenção ou controle.

O estado hipnótico foi introduzido usando uma abordagem permissiva, como descrita anteriormente por Erickson. Resumidamente, o hipnoterapeuta instruiu os sujeitos a focarem suas atenções em um objeto ou uma memória. A fase de sugestão foi caracterizada pela introdução de objetivos positivos específicos de ansiedade, redução do medo e relaxamento. Os sujeitos foram informados durante a fase sugerida de que continuassem a sentir-se relaxados e calmos durante o período perioperatório.

No final da fase de sugestão, o hipnoterapeuta instruiu o sujeito a restabelecer o contato com o ambiente. Esta última ação é planejada para que o sujeito possa restaurar a consciência dentro de alguns segundos. A intervenção hipnótica durou 30min.

Discussão

Nas condições deste estudo, descobrimos que a hipnose reduz drasticamente a ansiedade dos pacientes submetidos à cirurgia ambulatorial. Vários relatos anteriores descreveram o uso de hipnose no ambiente perioperatório.

Entretanto, a maioria dos estudos anteriores é inválida devido a questões relacionadas ao viés de seleção, falta de randomização, falta de intervenção padronizada, amostra pequena. tamanho, falta de resultados objetivos, e falta de um grupo de controle de controle de atenção.

Este estudo atual considerou as limitações dos estudos anteriores. Ou seja, usamos um estudo randomizado controlado. Cegamos os pesquisadores que recrutaram os pacientes e avaliamos as medidas de desfechos com boas propriedades psicométricas.

Além disso, usamos um grupo de controle de atenção que foi administrado por um assistente de pesquisa. O conceito de um grupo de controle de atenção, embora não seja usado com frequência em pesquisas de anestesia, é fortemente recomendado quando se estuda uma intervenção comportamental que pode ser moderada por um efeito placebo.

De fato, Bootzin indicou que o propósito de um grupo de controle de atenção é “testar a hipótese rival de que melhorias na variável dependente ocorrem por causa da expectativa do participante e da atenção recebida durante o tratamento e não do próprio tratamento”.

Em conclusão, mostramos que uma sessão de hipnose pré-operatória é muito eficiente na redução da ansiedade e do medo antes da cirurgia. Estudos futuros são necessários para determinar o impacto da hipnose em variáveis ​​como a necessidade de anestesia intraoperatória, dor pós-operatória, náusea e vômito.

 

¹ Classificação ASA – American Society of Anesthesiologist

  • ASA I: I – sem alterações fisiológicas ou orgânicas, processo patológico responsável pela cirurgia não causa problemas sistêmicos.
  • ASA II: alteração sistêmica leve ou moderada relacionada com patologia cirúrgica ou enfermidade geral.
  • ASA III: alteração sistêmica intensa relacionado com patologia cirúrgica ou enfermidade geral

 

Fonte:

  • Artigo científico traduzido e adaptado de Hypnosis Reduces Preoperative Anxiety in Adult Patient.
    • Haleh  Saadat, MD; Jacqueline Drummond-Lewis, MD; Inna  Maranets, MD; Deborah Kaplan, Anusha Saadat, Shu-Ming  Wang, MD; e Zeev N. Kain, MD
    • Center  for the  Advancement  of Perioperative  Health,  Departments  of Anesthesiology,  Pediatrics, and Child  Psychiatry. Yale  University  School of Medicine.  New Haven, EUA