Quem tem transtorno bipolar ou convive com uma pessoa que o tenha, provavelmente já ouviu falar em hipomania. Esse é um momento de alteração de humor que pode acontecer quando o indivíduo não está estável.

No geral, os períodos de hipomania são menos intensos do que os de mania. Além disso, tende a se manifestar por um período menor. Quando o indivíduo está em um estado de hipomania, às vezes, ele se sente completamente desconectado do mundo. 

Por isso, é possível dizer que ela pode ter um efeito devastador no bem-estar. Sem contar que pode prejudicar os relacionamentos pessoais ou no trabalho.

Embora esteja comumente presente em casos de bipolaridade, é possível que a hipomania seja observada em outros transtornos mentais. Conheça mais sobre esse período e veja as possibilidades de tratamento.

O que é hipomania e seus sintomas?

A hipomania pode ser caracterizada como uma fase de algumas síndromes mentais, que se caracteriza pela alteração de humor. Ela é semelhante à mania, mas ocorre com menos intensidade

No geral, a pessoa se sente eufórica, extremamente feliz e com muita energia. O indivíduo fica tão ativo, que tem grandes alterações no comportamento e podem até se ferir. Dentre os sintomas de hipomania estão: 

Qual a diferença entre hipomania e uma mania qualquer?

A fase de mania do transtorno bipolar também se apresenta com sintomas de impulsividade, euforia, agressividade e os demais que são vistos na hipomania. Por isso, pode ser até confundido, por pessoas que acompanham um indivíduo que tem bipolaridade. 

Entretanto, no caso da mania a duração é maior. Ela costuma durar uma semana ou mais e se apresenta de forma mais intensa. Já a hipomania pode durar apenas alguns dias.

Vale lembrar que embora hipomania e mania sejam fases da bipolaridade, nem todos os que têm transtorno bipolar apresentam essas alterações. Há dois tipos e se dividem da seguinte forma: 

Por fim, o fato de uma pessoa apresentar episódios de hipomania, não significa que ela seja bipolar. É preciso contar com a avaliação profissional, para saber a origem do problema. 

Como lidar com episódios de hipomania?

A primeira coisa a ser feita é buscar por um especialista para que ele avalie os sintomas, faça os exames necessários e defina se é um caso de hipomania ou não. Além disso, o profissional poderá identificar se ela é resultante de um quadro de bipolaridade ou não. Depois disso, alguns tratamentos e mudanças poderão ser adotados. Conheça alguns!  

Uso de medicamentos

Comumente os psiquiatras prescrevem medicamentos, que ajudam a controlar os sintomas e evitar que eles piorem. No geral, mesmo que o quadro de hipomania seja desenvolvido, com a medicação a pessoa não chega ao ponto, por exemplo, de se ferir. Dessa forma, quase sempre esse tipo de tratamento é indicado pelos psiquiatras

Mudança de hábitos 

Para manter a mente equilibrada, muitas vezes, os profissionais orientam a mudar a rotina e começar a realizar atividades que façam bem e diminuam o estresse. Dentre elas:

Hipnose

Uma das maneiras de evitar que os momentos de hipomania se manifestem é encontrar os gatilhos. A partir do momento que a pessoa sabe o que faz com que ela comece a se sentir eufórica, fica mais fácil aprender a controlar e a evitar. 

Segundo a psicóloga Geane Crozetta, é importante com que o paciente junto ao terapeuta desenvolva estratégias para que não haja nenhum prejuízo pessoal, profissional ou mesmo financeiro em um momento de hipomania. O paciente é orientado a não vender ou comprar nada, mudar de emprego ou terminar relações afetivas, por exemplo, para evitar consequências maiores.

Por meio da hipnose é possível encontrar possíveis gatilhos na vida do paciente. Além disso, a hipnoterapia pode ajudar a pessoa a desenvolver o autoconhecimento e o autocontrole. Assim, ela consegue lidar melhor com as emoções e lidar com essas alterações de sentimento de maneira mais eficaz.

A hipnose também pode ajudar o indivíduo que tem hipomania a dormir melhor, o que é importante para o tratamento do transtorno. Veja como funciona. Aproveite e também conheça mais detalhes sobre o Transtorno Bipolar Afetivo aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *