Ansiedade tem cura? Veja 5 perguntas e respostas sobre o assunto e descubra!

O estresse e a rotina de vida intensa podem desencadear algumas desordens mentais. Dentre as que são mais comumente diagnosticadas está a ansiedade, que quando não tratada, por evoluir para um quadro depressivo. Mas afinal, ansiedade tem cura

Como é considerado um sentimento normal que, em algumas pessoas se apresenta de forma mais aflorada, a ansiedade não tem cura. No entanto, há tratamentos que ajudam o indivíduo acometido a controlar e evitar crises.

Embora seja um problema comum, muitas pessoas ainda têm várias dúvidas, que vão além de saber se a ansiedade tem cura. Veja as mais frequentes aprenda mais sobre essa doença, que é até considerada o “mal do século”.

O que é ansiedade?

A ansiedade é um estado emocional, que pode ser considerado normal, quando acontece eventualmente. No entanto, se ela passa a fazer parte do dia a dia do indivíduo ou começa a atrapalhar a rotina, ela é tida como uma doença.

As pessoas acometidas passam a ficar preocupadas e tensas o tempo todo. Com isso, situações simples, do dia a dia, tornam-se um problema. Alguns casos são tão intensos que o indivíduo acometido não consegue ficar em locais com aglomeração, fazer compras no supermercado ou ir a um teatro, por exemplo. 

A rotina da pessoa passa a ser afetada e ela quer logo saber se a ansiedade tem cura. É importante esclarecer que embora não exista, os tratamentos são muito eficazes e permitirão que o indivíduo tenha uma rotina normal e saudável. 

5 perguntas e respostas sobre o assunto

Ansiedade é o mesmo que depressão?

É comum que as pessoas confundam as duas doenças pois, muitas vezes, elas são diagnosticadas ao mesmo tempo. No entanto, ansiedade e depressão são duas coisas diferentes. A depressão é um distúrbio mental que leva a pessoa a apresentar sinais como:

  • choro recorrente;
  • desinteresse por atividades cotidianas;
  • isolamento social;
  • apatia;
  • desmotivação;
  • fadiga constante;
  • alteração no peso;
  • insônia;
  • pensamentos ruins ou pessimistas;
  • falta de esperança.

Por outro lado, quem é diagnosticado com ansiedade apresenta sinais de medo e angústias em situações rotineiras. A pessoa passa a viver apreensiva e tão preocupada, que acaba deixando de realizar atividades simples, por passar mal. É como se ela estivesse se sentindo sempre em risco, mesmo que nada diferente esteja acontecendo. 

Por que a ansiedade é considerado o “mal do século”?

Essa doença é tida como o mal do século por estar afetando um grande número de pessoas. De acordo com os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), só no Brasil, pelo há menos 18,6 milhões de pessoas afetadas. 

No entanto, esses números podem ser ainda maiores, visto que muitos não procuram tratamento para ansiedade. Embora não seja possível determinar uma única causa para esse aumento no número de casos, o estresse, desemprego e violência podem ser considerados fatores desencadeantes. 

A ansiedade desencadeia sintomas físicos?

Sim, a ansiedade estimula sintomas emocionais e físicos. Além dos mentais, como dificuldade de concentração, medo, nervosismo e preocupação exagerada, uma pessoa ansiosa pode apresentar os seguintes sinais:

  • suor nas mãos ou nos pés;
  • mãos e pés gelados, mesmo em dias quentes;
  • dor no peito;
  • taquicardia;
  • falta de ar ou respiração ofegante;
  • transpiração excessiva;
  • boca seca;
  • enjoo;
  • dor de barriga ou diarreia. 

A ansiedade atrapalha para engravidar?

Às vezes, a vontade de engravidar é tanta que a mulher fica muito ansiosa. O que nem sempre as pessoas sabem é que essa ansiedade acaba dificultando que a gestação aconteça. 

O principal motivo é o desequilíbrio hormonal resultante da ansiedade, que pode alterar o ciclo menstrual. Em alguns casos, até a ovulação pode ser inibida. Por isso, nessas situações, é preciso procurar tratamento para que a ansiedade seja controlada. 

A ansiedade tem cura?

Não há cura para a ansiedade, mas há tratamento. É possível procurar por atendimento psicológico, hipnoterapia e até medicação adequada, prescrita por um psiquiatra. Quanto antes o diagnóstico for realizado, menores serão os sintomas e mais rápida tende a ser a recuperação. 

Como a ansiedade não tem cura, o acompanhamento deve ser constante. Além disso, algumas mudanças na rotina de vida poderão ajudar a pessoa a evitar crises. Dentre as medidas que ajudarão a ter qualidade de vida a pessoa pode adotar:

  • prática de exercícios físicos;
  • contato com a natureza;
  • auto-hipnose;
  • terapia;
  • medicação;
  • aprender uma nova atividade, que faça bem e torne-se um momento de distração. 

Caso a pessoa não busque por ajuda ou tratamento, o quadro pode se agravar. Além da possibilidade de desenvolver a depressão, há também riscos da ansiedade se tornar paranoia. Veja como evitar que isso aconteça.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp