Clean Language: o poder da linguagem limpa na terapia

Tempo de leitura: 4 minutos

5 (100%) 2 vote[s]

Como facilitar para que o cliente enfatize a sua própria vivência e encontre dentro de si a resposta que precisa? Foi com o objetivo de responder essa pergunta e encontrar esse resultado, que a Clean Language foi criada. 

Em uma tradução literal, Clean Language quer dizer “linguagem simples”. Em síntese, o modelo de linguagem propõe o uso de perguntas básicas que façam com que o cliente entre em contato com a própria experiência subjetiva. Assim, ele consegue encontrar a resposta dentro de si mesmo e não com base na orientação do profissional. 

Conheça melhor o método que é muito usado na psicoterapia e aconselhamento. Continue a leitura!

A origem do Clean Language

O psicoterapeuta neozelandês David Grove dedicou o seu trabalho para a busca de novos métodos. Ele queria ajudar a resolver os traumas dos seus clientes. Dentre eles, casos de estupro e estresse pós traumático. 

Para isso, buscava novas formas de se comunicar com os clientes e atingir resultados mais eficazes. Durante o seu trabalho, realizado na década de 80, notou que as pessoas usavam metáforas para descrever o que sentiam.

Isso era algo natural dos clientes e David percebeu que, ao abordar as pessoas da forma certa, conquistava bons resultados. Usar palavras específicas fazia com que o cliente passasse a enxergar o trauma de outra maneira. Com isso, ele conseguia com que o problema fosse resolvido naturalmente. 

Com base na experiência, o psicoterapeuta notou que a linguagem limpa era o melhor caminho e criou o Clean Language.

Clean Language e a promoção de mudanças positivas

Na década de 1980, David percebeu que era comum, dentre os terapeutas, a interpretação das palavras dos clientes. Funcionava assim: o paciente falava e o terapeuta levava a própria experiência para a conversa em forma de conselho. Dessa forma, o cliente deixava a sua vivência de lado para dar atenção ao conselho do terapeuta. Isso fazia com que o paciente não focasse na própria experiência.

Para evitar que a história de vida do terapeuta interferisse no atendimento, David Grove elaborou algumas perguntas simples. O objetivo era facilitar que o cliente explorasse as suas próprias experiências e padrõessem interferência. Assim, o cliente teria a certeza de que estaria na direção das suas necessidades internas genuínas.

Assim, a abordagem não sofre influência de informações externas do terapeuta. Logo, o cliente consegue encontrar as respostas que precisa dentro de si mesmo e não através dos conselhos do terapeuta. Dessa maneira, o profissional passa a ser um facilitador e não mais aquele que sugere uma solução.

A partir do momento em que as mudanças necessárias acabam vindo do próprio paciente, elas são conquistadas mais naturalmente. 

O método Clean Language é tão eficaz que hoje é usado em diversos setores, como: 

Perguntas para aplicar a linguagem limpa

David Grove elaborou 12 perguntas claras e diretas. A ideia é que os questionamentos possam ser feitos sem a interferência do terapeuta. Logo, apenas a história do cliente importa e é dentro dela que ele consegue encontrar a mudança.

Para o desenvolvimento, as questões usadas são: 

  • (e) que tipo de X (é esse X)?
  • (e) há alguma coisa a mais sobre X?
  • (e) onde é X? ou (e) onde exatamente é X?
  • (e) há algum relacionamento entre X e Y?
  • (e) quando X, o que acontece com Y?
  • (e) esse X é como o quê?

Para encontrar a origem e da sequência, os questionamentos são:

  • (e) então, o que acontece? ou – (e) o que acontece em seguida?
  • (e) o que acontece logo antes de X?
  • (e) de onde X poderia ter vindo?

Por fim, as perguntas de intenção são:

  • (e) o que X gostaria que acontecesse?
  • (e) o que necessita acontecer para X?
  • (e) pode (acontecer) X?

Dessa maneira, as perguntas direcionam a atenção do paciente para pontos da experiência. Assim, eles conseguem encontrar os próprios caminhos.

Criação da modelagem simbólica

Com base no método de Clean Language, Penny Tompkins e James Lawley criaram a modelagem simbólica. Trata-se de uma ferramenta, que pode ser usada durante a terapia

Dessa forma, o profissional usa a Clean Language para modelar uma experiência vivida pelo cliente. Além disso, faz uso da metáfora criada pela pessoa, para expressar seus padrões de funcionamento e criar um modelo evolutivo.  

Com o uso da Clean Language e de um modelo evolutivo baseado nas declarações do cliente, fica mais simples facilitar o seu processo de autodescoberta. Dessa maneira, as mudanças acontecem com mais facilidade e de forma mais profunda. 

Assim como a Clean Language, outras técnicas foram criadas para tentar um resultado mais eficaz. Uma delas é conhecida como Hipnoterapia Ericksoniana. Conheça!

Este artigo é baseado em uma aula ministrada ao vivo pelo psicoterapeuta Welber Silva para os alunos dos cursos online do professor Alberto Dell’isola.

Esse artigo foi útil?

Clique na estrela para pontuar!

Média de pontuação / 5. Vote count: