A Hipnose Clínica Funciona? Um Estudo De Stanford Prova Que Sim!

Tempo de leitura: 5 minutos

5 (100%) 1 vote

A hipnose clínica funciona?

Ao examinar os cérebros dos sujeitos enquanto eles estavam hipnotizados, os pesquisadores da Escola de Medicina de Stanford descobriram mudanças neurais em três áreas do cérebro que ocorrem, quando as pessoas são hipnotizadas.

Portanto, a hipnose clínica funciona sim!

hipnose clínica funciona

O poder da hipnose

Suas pálpebras estão ficando pesadas, seus braços estão frouxos e você sente como se estivesse flutuando no espaço. O poder da hipnose para alterar sua mente e seu corpo.

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Stanford examinaram os cérebros de 57 pessoas durante sessões de hipnose. Foram sessões guiadas similares àquelas que podem ser usadas clinicamente para tratar ansiedade, dor ou trauma.

Seções distintas do cérebro alteraram a atividade e conectividade enquanto alguém está hipnotizado. Isso foi relatado em um estudo publicado online.

O principal autor do estudo, David Spiegel, professor de Psiquiatria e Ciências Comportamentais disse:

Agora que sabemos quais regiões cerebrais estão envolvidas, podemos usar esse conhecimento para alterar a capacidade de alguém ser hipnotizada. Ou saber  hipnose clínica funciona para problemas como o controle da dor.

Hipnose clínica: uma ciência séria

Para algumas pessoas, a hipnose está associada a mitos como perda de controle ou aos truques do palco. Mas médicos como Spiegel sabem que é uma ciência séria, revelando a capacidade do cérebro de curar condições médicas e psiquiátricas.

Na verdade, é um meio muito poderoso de mudar a forma como usamos nossas mentes para controlar a percepção e nossos corpos.” — Spiegel.

Apesar da crescente valorização do potencial clínico da hipnose, pouco se sabe sobre como funciona em nível fisiológico. Enquanto os pesquisadores examinaram previamente os cérebros de pessoas em hipnose, esses estudos foram projetados para identificar os efeitos da hipnose na dor, visão e outras formas de percepção, e não o estado da própria hipnose.

Encontrando o sujeito mais suscetível à hipnose: metodologia

Para estudar a hipnose em si, os pesquisadores primeiro tinham que encontrar pessoas que poderiam ou não poderiam ser hipnotizadas.

Apenas cerca de 10% da população é classificada como “altamente hipnotizáveis”. Enquanto outros são menos capazes de entrar no estado de hipnose que parece um transe.

Spiegel e seus colegas examinaram 545 participantes saudáveis ​​e encontraram 36 pessoas que obtiveram pontuações elevadas nos testes de hipnotizabilidade, bem como 21 indivíduos que pontuaram no extremo inferior da escala.

Em seguida, eles observaram os cérebros daqueles 57 participantes que usaram ressonância magnética funcional, que mede a atividade cerebral detectando mudanças no fluxo sanguíneo. Cada pessoa foi escaneada sob quatro condições diferentes:

Era importante ter as pessoas que não podem ser hipnotizadas como controles. Caso contrário, você pode ver coisas acontecendo nos cérebros daqueles que estão sendo hipnotizados, mas você não teria certeza se estava associado à hipnose ou não.

Atividade cerebral e conectividade: resultados

Spiegel e seus colegas descobriram três marcas do cérebro sob hipnose. Cada mudança foi vista apenas no grupo altamente hipnotizável. E somente enquanto eles estavam passando por hipnose.

Primeiro, eles viram uma diminuição na atividade em uma área chamada córtex cingulado anterior dorsal, parte da rede de saliência do cérebro. O professor explica que na hipnose, você não se preocupa com mais nada, por estar tão absorvido.

Em segundo lugar, eles viram um aumento nas conexões entre duas outras áreas do cérebro — o córtex pré-frontal dorsolateral e a ínsula. Ele descreveu isso como uma conexão cérebro-corpo que ajuda o cérebro a processar e controlar o que está acontecendo no corpo.

Finalmente, a equipe de Spiegel também observou conexões reduzidas entre o córtex pré-frontal dorsolateral e a rede de modo padrão, que inclui o córtex pré-frontal medial e o córtex cingulado posterior. Esta diminuição na conectividade funcional provavelmente representa uma desconexão entre as ações de alguém e sua consciência de suas ações. Em outras palavras, quando se está realmente envolvido em algo, não se pensa em fazê-lo, você apenas faz.

Durante a hipnose, esse tipo de dissociação entre ação e reflexão permite que a pessoa se engaje em atividades sugeridas por um clínico ou auto-sugeridas. Sem dedicar recursos mentais à autoconsciência sobre a atividade.

Tratar dor e ansiedade sem pílulas

Em pacientes que podem ser facilmente hipnotizados, as sessões de hipnose têm se mostrado eficazes em diminuir a dor crônica e outros procedimentos médicos… Tratar vícios em drogas, de fumarestressealiviar a ansiedade ou fobias.

Para mais estudos científicos sobre se a hipnose clínica funciona:

As novas descobertas sobre como a hipnose clínica funciona no cérebro podem abrir caminho para o desenvolvimento de tratamentos para o restante da população. Isto é, para aqueles que não são naturalmente suscetíveis à hipnose.

“Estamos certamente interessados ​​na ideia de que você pode mudar a capacidade das pessoas de serem hipnotizadas estimulando áreas específicas do cérebro“, disse Spiegel.

Um tratamento que combina a estimulação cerebral com a hipnose pode melhorar os efeitos analgésicos conhecidos da hipnose. Potencialmente, substituir os analgésicos que causam dependência e efeitos colaterais e os medicamentos anti-ansiedade. Mais pesquisas, no entanto, são necessárias antes que tal terapia possa ser implementada.

 

Traduzido e adaptado de: Study identifies brain areas altered during hypnotic trances (Standford Medicine: News Center)

 

Confira um estudo de caso: como a hipnose clínica foi eficaz com jogadores de uma liga infantil de beisebol!